quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Soul Eater vol.16 - This Is The New Soul Resonance - Atsushi Ohkubo

   "Like the other members of the newly formed Spartoi unit, Maka and Soul undergo rigorous training, probing the boundaries of Soul's hard-won new potential as a weapon. Maka's soul perception ability has made her the enemy's next target, and she and Soul will have to kick it up to a whole new level-and fast! Noah and his followers are coming, ready or not!!"

   Hey leitores!
   Aqui estamos, quase quase no Natal! À espera de muitas prendas? Apenas livros ou mangás também? Que tal este? O décimo sexto volume de Soul Eater (de 25, sim já entrei na contagem decrescente) já está finalmente no blogue.
   Não esperem um novo arco mega brilhante, porque não é isso que vão ter. Em vez disso vai haver um pouco de confusão ao perceberem que a história avançou um pouco no tempo. Tal como a sinopse sugere, os protagonistas estão agora mais poderosos, evoluíram quer nas suas capacidades quer mentalmente (talvez nesta última parte só alguns o tenham feito).
   Isto não impede nada de começar a criar-se uma nova trama, com personagens que já vimos em volumes anteriores. Trama essa que parece prometer muita nova ação. Pelo menos relacionada com o duo Maka/Soul e Kid.
   E isso leva-nos ao próximo ponto que é o desenvolvimento das personagens. Normalmente num mangá não se espera muito nesta vertente, mas considerando que este volume mostrava um avançar no tempo seria bom se mostrasse mais sobre as personagens, e não só "o que estão a fazer agora".
   Outro ponto fraco foi o número de capítulos no volume, apenas três. Novamente para este tipo de transição poderiam ter posto mais um capítulo, nem que fosse o início de um arco, que explorasse um pouco mais da evolução das personagens.
   É um volume mediano que tinha potencial para ser muito melhor do que foi. Caso queiram ler mais sobre esta saga, sigam o link: Crítica - Soul Eater vol.15
   Boas Leituras...
6/10

André

domingo, 18 de dezembro de 2016

Os Jardins da Lua - Steven Erikson

   "Quebrado pela guerra, o vasto império Malazano ferve de descontentamento. Os Queimadores de Pontes do Sargento Whiskeyjack e Tattersail, a feiticeira sobrevivente, nada mais desejam do que chorar os mortos do cerco de Pale. Mas Darujhistan, a última das Cidades Livres, ainda resiste perante a ambição sem limites da Imperatriz Laseen. Todavia, parece que o Império não está sozinho neste grande jogo.
   Sinistras forças das trevas estão a ser reunidas à medida que os próprios deuses se preparam para entrar na contenda… Concebido e escrito a uma escala panorâmica, Jardins da Lua é uma fantasia épica da mais elevada qualidade, uma aventura cativante da autoria de uma excecional nova voz. Verdadeiramente épico, Erikson não tem igual quando o assunto é ação e imaginação, e junta-se à classe de Tolkien e Stephen Donaldson na sua visão mítica."

   Boas Leitores!
   Após este tempo todo sem notícias nenhumas (parece que estou constantemente a dizer o mesmo), eis que surge uma nova opinião de uma obra brilhante! Os Jardins da Lua é o primeiro volume da tão aclamada Saga do Império Malazano, que já conta com dez livros na língua original e este é o primeiro publicado em português (esperemos que não falte muito para que os próximos nove se sigam)!
   As opiniões que surgem desta saga são mistas, há quem diga que é uma confusão sem nexo, que não vale a pena ler, há quem diga que é uma excelente obra de fantasia. Quis tirar as dúvidas, e agora vejo-me no segundo grupo. É certo que há imensas variáveis nesta história, personagens, paisagens, mundos, magias, até o próprio tempo é confuso na obra. MAS, foi como li antes, se conseguirem passar o primeiro terço do livro, então espera-vos uma das melhores aventuras que possam ler deste g
género.
   Primeiro são atirados para o meio duma história que não sabem nada, centenas de nomes para tentar desvendar o que significam, ou quem são, contudo, com o seguimento da obra a familiaridade vai sendo cada vez maior e a leitura cada vez mais fácil até se tornar viciante. Uma segunda leitura a esta obra não faria mal nenhum, é daqueles livros que pode ler-se um sem número de vezes que continuaremos a perceber pormenores novos.
   Quanto às personagens, são tantas que seria difícil falar do seu desenvolvimento geral. Um punhado delas é claramente mais importante e teve um desenrolar de personalidade bom e robusto, sem que fossem criados vazios no seu carácter.
   O enredo... Que dizer do enredo? Complexo? Decerto. Fabuloso? Também. É uma mistura enorme de tudo. Mistério, magia, romance (no seu q.b. certo), ação, e muito mais. Não há paragens nesta narrativa, estamos constantemente a sofrer com novas notícias que o autor nos dá, sem ter piedade do nosso cansaço. Mas não é isso que o leitor quer? Entrar numa aventura e voltar à superfície ofegante, como se tivesse estado mesmo lá?
   É uma grande obra que aconselho a lerem e a ultrapassarem o primeiro terço do livro para desfrutarem em grande. E após o fazerem, lá teremos de esperar que o segundo volume chegue.
   Boas Leituras... ;)
8.5/10

André

sábado, 10 de dezembro de 2016

Booking Through Thursday - Prazer Culpado

   Qual é que é o teu prazer culpado, relativo a leitura?

   André: O meu "guilty pleasure" será provavelmente romances lamechas. Não os leio muito, mas de vez em quando gosto de pegar num e lê-lo. Na minha opinião, desde que esteja bem escrito, pode ser uma obra tão boa quanto uma de fantasia ou ficção.