quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Ponte de Sonhos - Anne Bishop

   "Quando os magos ameaçam Belladonna e o seu trabalho para manter Efémera em equilíbrio, o seu irmão Lee sacrifica-se para a salvar — e acaba por ser internado num Asilo na cidade de Visão, longe de tudo o que conhece. Ao mesmo tempo, umas estranhas trevas parecem estar a espalhar-se — uma escuridão que esconde a natureza dos Xamãs que cuidam da cidade e da sua população. Danyal, um dos Xamãs, é o responsável pelo Asilo. Mas talvez por estar a tentar descobrir os seus próprios sonhos, Danyal sente-se intrigado pelos aparentes delírios de Lee. Com a ajuda de Zhahar, uma mulher com os seus próprios segredos tenebrosos, a mente e o corpo de Lee melhoram, e as suas palavras começam a fazer sentido. Em breve, Danyal e Zhahar começam a vislumbrar o mundo como nunca haviam imaginado. Quando Danyal, Lee e Zhahar se unem para descobrir o que ameaça a cidade, serão obrigados a olhar para além de si mesmos — e para dentro de si mesmos — para descobrir quem são… e até que ponto podem ser demasiado perigosos."

   Boas Leitores!
   Aqui temos uma nova opinião, de uma saga não lida há muito, quer dizer houve um livro intermédio que não fazia bem parte da saga em si, mas a 2ª obra desta trilogia foi lida já em 2013, ou seja há 3 anos atrás, demasiado tempo. Mas felizmente o último volume da Saga do Mundo Efémera já está aqui! Temos de ter em conta que este último pode não o ser exactamente. A autora pode de repente dar-lhe na cabeça e decidir escrever mais um livro... E eu não me importava nada!
   A verdade é que Anne Bishop tem uma grande qualidade e um grande talento na criação de mundos. Na sua trilogia mais famosa os mundos eram estranhos e fantásticos, algo que o leitor demorava a habituar-se mas ficava encantado assim que percebia o seu funcionamento. Com esta saga é a mesma coisa, estranha-se no início, mas quando se percebe é fantástico e original. Qualidade ao nível de Brandon Sanderson quanto a esse aspecto. Desde a forma como o mundo funciona até ao facto de o próprio mundo ter identidade! Um universo rico em boas histórias, e tenho até curiosidade para saber mais de como é que esse universo de Anne Bishop chegou àquele estado.
   As personagens também estão bem desenvolvidas e acho que o pormenor de referir as personagens pelo nome ou pelo seu cargo faz mesmo diferença no modo como as vemos.
   Talvez o único ponto negativo do livro seja a previsibilidade de algumas partes. O enredo é bom, e parece que vai terminar por várias vezes antes da última página, mas a autora consegue reavivar a história como se fossem brasas numa fogueira o que impede o leitor de perder o interesse. A previsibilidade vem nas partes que envolvem o romance, acho que esse é o ponto fraco, alguns diálogos previsíveis, mas mesmo assim a autora consegue dar a volta por vezes.
   O final da obra está bom, apesar de parecer que algumas partes ficam em branco, sem grande explicação. De qualquer das formas os protagonistas obtém o seu final, que é algo que os leitores mais esperam.
   É uma obra boa de uma autora que já provou há muito o seu valor, aconselho vivamente a lerem. Caso queiram saber mais sobre a saga, basta seguirem o link: Crítica - Belladonna   Boas Leituras... ;)

8/10

André

terça-feira, 8 de novembro de 2016

Guerra e Paz - Livro IV - Lev Tolstói

   "Considerado como um dos nomes maiores da literatura, este escritor, filósofo, pedagogo e até profeta, foi um defensor acérrimo das minorias e dos mais desfavorecidos, e um dos primeiros a insurgir-se contra a escravatura. Apesar das muitas perseguições a que foi sujeito, Tolstói encontrou na escrita um refúgio e foi de forma sábia que abordou temas tão inquietantes quanto complexos.
   Entre 1865 e 1869 escreveu e publicou aquela que é talvez a sua obra-prima e uma das maiores criações literárias de sempre: Guerra e Paz. Tendo como pano de fundo um cenário de guerra, com a invasão da Rússia por parte das tropas Napoleónicas, esta novela épica apoia-se em episódios ficcionais e históricos sobre aquele país, num momento de profunda convulsão. Tolstói deixou-nos um valiosíssimo legado literário e o seu nome perfila ao lado de outros grandes vultos como Shakespeare ou Homero."

   Boas Leitores!
   Aqui está o final de uma grande obra que é conhecida pelos quatro cantos do mundo. E apesar de ser considerado apenas um livro, esta edição está dividida em quatro, conclusão: demoro imenso tempo a acabar como todas as minhas colecções.
   Mas já está terminada, e digo desde já que foi em estrondo. Apesar de ser um livro pequeno, tem mais de quatrocentas páginas, do qual diria 1/4 já não é propriamente história mas sim um epílogo da parte do autor em que explica e tenta dar a entender o que é o poder e como é que se deve ser recordada a história.
   Mas falemos primeiro do restante da história que estava inacabada no terceiro volume. É excelente, não só pelas mudanças psicológicas das personagens como a explicação da queda do exército de Napoleão e a vitória da Rússia quando nada faria prever que assim aconteceria.
   Claro que há certas descrições um pouco maiores que levam à perda de interesse do leitor, mas rapidamente esse interesse volta quando há as cenas emocionantes sempre a acontecer como aconteceu neste volume. A morte e a mudança são duas constantes da vida, e este livro representa-o bem!
   O epílogo da história, apesar de ainda ser um pouco grande, traz uma certa conclusão à história que dá indícios do que poderá ter acontecido nos anos seguintes, coisa que o autor saberá ao perceber as datas que o autor dá e as datas de marcos históricos.
   Quanto à segunda parte aparece num registo de tal forma diferente que nos deixa um pouco perplexos. Mas o divagar do autor e a sua forma de pensar agarra-nos e não nos deixa fugir, isso é certo. E faz o que deve fazer melhor, põe-nos a pensar sobre as suas palavras e a sua forma de ver o mundo naquela altura (e que ainda se aplica aos dias de hoje).
   É uma conclusão acertada para a obra que é e que atinge as expectativas, apesar da extensa leitura que é a junção dos quatro volumes desta edição. Caso queiram saber mais sobre a minha opinião ao livro anterior, sigam o link: Crítica - Guerra e Paz - Livro III
   Boas Leituras... ;)
8.5/10

André

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Booking Through Thursday - Lições de Vida

   Qual é a melhor lição de vida que aprendeste de um livro quando eras criança?

(Eu especifico criança porque muitas lições que aprendemos quando crianças ficam para toda a vida, mas as coisas que aprendemos quando adultos não ficam necessariamente tão internalizadas. O seguimento, claro, é perguntar se mudarias a tua resposta para algo que leste quando mais crescido.)

   André: Uhh pergunta difícil esta... Acho que parte do porquê de eu gostar tanto de "As Crónicas de Narnia", principalmente o último livro é por transportarem a mensagem que não importa o que os outros pensem, desde que acreditemos naquilo que nós queremos. É uma questão de querer acreditar numa coisa e manter essa perspectiva e não mudá-la só porque os outros acham uma coisa diferente.