quarta-feira, 27 de abril de 2016

The City & The City - China Miéville

   "China Miéville delivers his most accomplished novel yet, an existencial thriller taken to dazzling metaphysical and artistic heights.
   When the body of a murdered woman is found in the extraordinary decaying city of Beszel, somewhere at the edge of Europe, it looks like a routine case for Inspector Tyador Borlú of the Extreme Crime Squad. But, as he probes, the evidence begins to point to conspiracies far stranger, and more deadly, than anything he could have imagined. Soon his work puts him and those he cares for in danger, and Borlú must travel to the only metropolis on Earth as strange as his own, across a border like no other."

   Hey readers!
   As semanas passam rápido demais quanto à leitura, e como tal os livros vão sendo lidos devagar. O que não é mau, este é um exemplo disso! Livro isolado, do mesmo autor de Un Lun Dun que foi lido há relativamente pouco tempo. No entanto esta obra foi vencedora de um dos melhores prémios de fantasia/ficção científica que são os prémios Hugo e foi dos nomeados para os prémios Nebula.
   Será que toda esta comoção dos prémios à volta desta obra é justificada? Em parte sim, é uma obra estranha, mas interessante. Ao jeito de China Miéville, pelo menos do outro livro que li dele, deixa os leitores no início um pouco baralhados pelo facto da história parecer passar-se num mundo igual ao nosso, mas depois haver vários elementos completamente contrários ao que se espera. Durante toda a história, o leitor tem a sensação que está numa qualquer cidade da Europa, igual a tantas outras, mas depois parece que não é de todo este planeta.
   O enredo por isso torna-se interessante, introduz conceitos como "desver" algo que o leitor não percebe bem ao início mas acaba por entranhar o conceito e até entender que por vezes isso acontece no nosso mundo. E isso é uma parte boa de toda a obra, é que no fundo há várias pontes entre este livro e o nosso mundo e que mostram a natureza humana.
   Quanto a nível de personagens, foi um pouco fraco. Tirando o protagonista, não se criou qualquer outra ligação com as personagens. Isso reflectiu-se depois no final da história, onde um policial atinge o climáx quando se descobre o culpado por detrás de tudo e o leitor fica "ah ok, então era este" que foi um pouco o que senti.
   E finalmente, o outro ponto menos bom foi o de ter sido um policial. Houve partes que eram consideradas ficção claro, mas a obra em si consideraria um policial e não uma obra de fantasia ou ficção científica.
   Apesar disso, não deixa de ser uma obra muito boa e que aconselho a lerem, é pena não termos edições em português, pelo que terão de se contentar em ler noutra língua.
   Boas Leituras... ;)
8/10

André

domingo, 17 de abril de 2016

Soul Eater vol. 12 - Souls, Yet Hidden, Quite Obscure - Atsushi Ohkubo

   "As one young witch flees Death City, another has come back to DWMA hoping to strike a deal with Shinigami-sama. Medusa has already proven herself a traitor to the school, but the information she offers is critical to DWMA's efforts to take down Arachnophobia and curb the spread of madness. Can Medusa be trusted to lead a team of students into the heart of enemy territory?!"

   Hello readers!
   Bem aqui está o décimo segundo volume desta grande saga que já está a ser seguida há muito tempo!
   Parece que as opiniões que tenho sobre esta saga vão subindo e descendo conforme os volumes, tal como o número de capítulos por volume oscila. No anterior eram cinco, desta vez voltaram a ser quatro. Quanto ao conteúdo de cada capítulo, no anterior para além de arcos havia também um capítulo solto com objectivo de desanuviar um pouco a leitura. Neste volume houve um arco (que não chegou a acabar, foram 3 capítulos e continuará no próximo) e um capítulo inicial que apesar de ser solto, acharia mais apropriado a estar junto com os capítulos seguintes.
   Mas não me julguem mal, o volume está bom, e este arco está a preparar-se para ser algo estrondoso. Estes três capítulos foram um acumular de situações que acaba num cliff hanger muito bom e que espevita um pouco o leitor e a sua vontade de ler mais. Principalmente quando se trata do Black Star.
   Desta vez não houve quase nenhum fanservice pelo menos nenhum demasiado óbvio, e digo isto mesmo havendo cenas com rabos à mostra! Sim sim, esta foi a prova de que nem sempre uma cena de nudez é uma cena descaradamente para atrair fans.
   Uma possibilidade que não falei ainda para a falta de um quinto capítulo pode ter sido devido aos extra que este volume teve. Pelos vistos deve ter sido com a saída deste volume que o mangá passou a ser animado, como tal eles tiveram vários contos pequenos desenhados por outras pessoas a comemorar este facto. Alguns deles eram bem engraçados outros nem por isso, havia de tudo no fundo. Mas acho que mesmo assim preferia ter tido mais um capítulo da história do que isso.
   Agora vamos lá ver quando terei oportunidade de ler mais desta história que está a tornar-se muito boa e está a chegar ao final da sua semelhança com o anime. Caso queiram saber mais sobre o volume anterior, basta seguirem o link: Crítica - Soul Eater vol. 11 - Face Up! Eyes High! Blaze Your Souls!
   Boas Leituras... ;)
7/10

André

quinta-feira, 14 de abril de 2016

Booking Through Thursday - Cão Desaparecido

   O meu adorado cão Chappy de 14 anos e 9 meses morreu. Que livros sugeres para me distraírem? Algo implacavelmente animado? Algo profundo e com significado? Algo simples, como comida de conforto?

   André: Esta pergunta é muito difícil porque depende de pessoa para pessoa, não sei se alguém iria conseguir abstrair-se com uma leitura muito simples e feliz. Tenho a certeza que aconselharia a certas pessoas lerem o famoso livro Marley & Eu porque quem já o leu sabe perfeitamente que não é só uma história triste de um cão, mas sim a relação que os cães têm com os seus donos e como são companheiros para toda a vida. É muito emocionante, mas para quem tem cães acho que é uma leitura de conforto ao mesmo tempo.

terça-feira, 12 de abril de 2016

Convergente - Veronica Roth

   "A sociedade de fações em que Tris Prior acreditava está destruída – dilacerada por atos de violência e lutas de poder, e marcada para sempre pela perda e pela traição. Assim, quando lhe é oferecida a oportunidade de explorar o mundo para além dos limites que conhece, Tris aceita o desafio. Talvez ela e Tobias possam encontrar, do outro lado da barreira, uma vida mais simples, livre de mentiras complicadas, lealdades confusas e memórias dolorosas. 
   Mas a nova realidade de Tris é ainda mais assustadora do que a que deixou para trás. As descobertas recentes revelam-se vazias de sentido, e a angústia que geram altera as vontades daqueles que mais ama. 
   Uma vez mais, Tris tem de lutar para compreender as complexidades da natureza humana ao mesmo tempo que enfrenta escolhas impossíveis de coragem, lealdade, sacrifício e amor. 
   Convergente encerra de forma poderosa a série que cativou milhões de leitores, revelando os segredos do universo Divergente."

   Boas Leitores!
   Mais uma colecção acabada! Esta foi fácil, uma trilogia, em que este é o último volume. Existe ainda um quarto livro que se passa neste mundo, com o nome Quatro que conta exactamente histórias da personagem Quatro. Quanto ao que disse na opinião do volume anterior, não, não consegui ler o livro antes de ver o terceiro filme. É essa a minha tarefa agora para ver se está fiel ou não.
   O enredo deste terceiro e último volume não é grande coisa. Uma troca e baldroca de um lado para o outro em que as personagens ficam duzentas páginas a decidir fazer uma coisa, depois outra, depois de volta à primeira e andam neste vai e volta interminável sem que se tome uma decisão, a não ser no final do livro. Esse foi um problema que houve no volume anterior e que se manteve.
   Outro problema que houve foi a introdução da perspectiva do protagonista masculino da saga, Quatro. Os capítulos eram intercalados com a perspectiva dele e a de Tris, até agora nada de mal, e até poderia contribuir para uma obra melhor. Mas não quando às vezes os capítulos têm 2 ou 3 páginas e então a troca entre personagens acaba por confundir um pouco o leitor. Os capítulos maiores tinham não só a vantagem de não confundir tanto o leitor como também de fazê-lo criar um laço mais forte com as personagens ou entender o seu desenvolvimento psicológico.
   O final da saga foi ao mesmo tempo surpreendente mas fraco. Foi surpreendente por não ser a via que normalmente os autores deste tipo de livros toma, mas foi feito de uma forma um pouco fraca, como se tivesse sido uma escapatória a ter de inventar um enredo mais complexo, senti-me bastante dividido no final entre o bom e o mau.
   Este volume subiu um pouco em relação ao anterior, mas para final da saga deixou mesmo muito a desejar em vários aspectos. Caso queiram ver a opinião do livro anterior, basta seguirem o link: Crítica - Insurgente
   Boas leituras... ;)
3.5/10

André
   

quinta-feira, 7 de abril de 2016

Booking Through Thursday - Lista

   Mantens uma lista dos livros que já leste? E dos livros que queres ler?

   André: Sim para ambas! Os livros que já li estão bem registados num dos melhores sites para essa função: Goodreads (aconselho a todos os leitores a inscreverem-se nesse site!). Quanto aos livros que quero ler, apesar dessa lista também poder ser feita no Goodreads, não a tenho num formato mas sim em documentos de texto, não sei já bem porquê... O que interessa é que nenhuma se perde!

domingo, 3 de abril de 2016

The Path of Daggers - Robert Jordan

   "The Seanchan invasion force is in possession of Ebou Dar. Nynaeve, Elayne, and Aviendha head for Caemlyn and Elayne's rightful throne, but on the way they discover an enemy much worse than the Seanchan.
   In Illian, Rand vows to throw the Seanchan back as he did once before. But signs of madness are appearing among the Asha'man.
   In Ghealdan, Perrin faces the intrigues of Whitecloaks, Seanchan invaders, the scattered Shaido Aiel, and the Prophet himself. Perrin's beloved wife, Faile, may pay with her life, and Perrin himself may have to destroy his soul to save her.
   Meanwhile the rebel Aes Sedai under their young Amyrlin, Egwene al'Vere, face an army that intends to keep them away from the White Tower. But Egwene is determined to unseat the usurper Elaida and reunite the Aes Sedai. She does not yet understand the price that others—and she herself—will pay."

   Hello readers!
   Cá voltamos nós à saga do Wheel of Time no seu esplendor de catorze volumes dos quais quatro estão publicados em Portugal, e daí estar a ler em inglês. Este é o oitavo volume, ou seja o primeiro da segunda metade.
   Ser o início da segunda metade significa para mim que espero que não haja um acrescento de complexidade à história, ou que se comecem a desenvolver certas partes. E assim foi, felizmente. De início a leitura estava um pouco parada porque não foi como nos outros volumes em que havia uma troca de perspectivas entre capítulos, só ao final de 6 ou 7 capítulos é que a história passou a ser a de outra personagem.
   Claro que, para início, isto não foi o melhor, mas como acabou esse início foi perceptível o porquê de estar naquela forma, essas acções foram o catalisador do resto da obra. E a partir daí houve várias trocas de perspectivas para cobrir todas, ou quase todas as personagens. Esse foi um dos pontos maus, houve um dos protagonistas do qual não se soube nada durante toda a obra, o que me deixou um pouco desapontado, visto que gosto bastante dele.
   Quanto ao resto do enredo, esteve bom, com um desenvolvimento a um ritmo decente sem empatar e sem apressar de tal forma que fique sem explicação. Temi a certa altura que o autor fosse empatar durante um mês daquele mundo os acontecimentos, mas no final esse mês foi encurtado e o leitor nem se dá conta.
   As personagens não tiveram um desenvolvimento muito extenso, nem médio, como nos outros livros, tal como houve muitos factores que não apareceram nesta obra. Deu uma ligeira sensação de ser um livro mais virado para as políticas em jogo e não para as metas finais.
   A qualidade manteve-se, mas não foi uma das melhores obras da saga, espero que apareça uma dessas em breve, que já tenho saudades! Caso queiram saber mais sobre a saga, sigam o link: Crítica - A Crown of Swords
   Boa Leitura... ;)
7.5/10

André