quinta-feira, 25 de junho de 2015

Histórias dos Sete Reinos - George R. R. Martin

   "Nos últimos dias do reinado do Rei Daeron, com os Sete Reinos em paz e a dinastia real Targaryen no seu apogeu, conhecemos a história de um jovem escudeiro de nome Dunk que parte em busca de fama e glória num dos mais famosos torneios de Westeros.
   Mas ele desconhecia que o destino pode pregar estranhas partidas e que o caminho para a honra e nobreza em Westeros está ladeado não só de perigos, mas também de amizades e coragem. Quando conhece Egg, um rapaz misterioso e inteligente, mal sabe que os laços estreitos que forma com ele irão mudar a sua vida para sempre.
   Com Histórias dos Sete Reinos, George R. R. Martin transporta-nos para o mundo fascinante e repleto de intrigas de Westeros, com a mesma mestria com que escreveu a sua obra-prima: A Guerra dos Tronos."

   Boas pessoal!!
   Acabei de ler um livro de um dos autores mais falados nos últimos anos, pois é, o autor da tão famosa Guerra dos Tronos, mas não é o novo livro que saiu, não se preocupem, este não passa de um conjunto de três histórias com as mesmas personagens e que aconteceram alguns anos antes da história em Westeros começar com a sua saga mais famosa.
   Pois é, o primeiro conto não tenho muito a dizer, visto que é o conto que existe também no livro O Cavaleiro de Westeros & Outras Histórias (e que acho que por causa disso, quem comprovasse que tinha este mesmo livro deveria ter tido um desconto de 1/3 no preço!).
   Quanto aos outros dois contos, são interessantes, principalmente para quem gosta do mundo de Westeros e de todas as coisas que trazem com ele. No entanto achei a escrita do autor um pouco lenta de mais, demasiado descritiva sem no entanto dizer grande coisa. Houve uma enorme descrição de emblemas das diversas casas, coisa que pouco me interessava a não ser que desempenhassem um papel importante, coisa que nem sempre acontecia.
   Outro ponto mau foi que achei por vezes previsível a história. não foi sempre. Houve outras alturas que me ri ou fiquei surpreendido com o que lia, mas das outras vezes mal começava uma acção e eu já conseguia prever qual o desfecho.
   É um livro engraçado para quem tem saudades do mundo de Westeros e está à espera que os próximos livros saiam. Sempre dá para matar um pouco de saudades, mas não esperem mortes inesperadas ou bruxaria negra até dizer chega, é mais um livro sobre época medieval e cavaleiros.
   Boas Leituras... ;)
7/10

André

Booking Through Thursday - O Outro Lado

   O que é que os teus amigos não-leitores pensam dos teus hábitos de leitura? Entendem-te? São compreensivos? Ou eles simplesmente tentam que "tires o teu nariz desses livros?"

   André: A maior parte dos meus amigos lê com alguma frequência, isso já ajuda, os que não lêem assim tanto sabem perfeitamente que se querem a minha companhia vão ter de levar com um livro mais cedo ou mais tarde. O que é sempre engraçado depois tentar fazê-los ler alguma coisa. Mas felizmente, os meus amigos compreendem o gosto pela leitura, apesar de ficarem sempre um pouco assustados com a quantidade de livros que leio durante o ano.

sexta-feira, 19 de junho de 2015

Bakuman vol.7 - Gag and Serious - Tsugumi Ohba & Takeshi Obata

   "Is becoming a successful manga artist an achievable dream or just one big gamble?
   Average student Moritaka Mashiro enjoys drawing for fun. When his classmate and aspiring writer Akito Takagi discovers his talent, he begs Moritaka to team up with him as a manga-creating duo. But what exactly does it take to make it in the manga-publishing world?
   Moritaka and Akito face the prospect of their series being canceled in Shonen Jump due to dropping popularity. Can the duo avoid the axe and keep fighting? And when Akito starts becoming friendly with fellow manga creator Ko Aoki, how will it affect his long-term relationship with Kaya?"

   Hello readers!
   Bem aqui temos um mangá pronto a ser opinado! Já há muito tempo que não havia notícias da saga Bakuman mas agora aqui temos o sétimo volume.
   Então e agora o sétimo volume, o que tem para nos dizer? O romance que tinha aparecido no volume anterior desapareceu duma maneira completamente espantosa. No anterior havia, neste fez puf!.
   Por outro lado o mangá esteve mais inclinado para uma temática muito interessante e que afecta toda a gente mais cedo ou mais tarde, que é a de manter a nossa posição quando achamos que estamos certos, ou quando achamos que o que os outros estão a fazer é prejudicial. Apesar desta obra manter-se quase toda, o que significa nove capítulos, à volta deste assunto, não foi saturante. Havia momentos que nos agarrávamos ao volume e queríamos ler mais e defender com os protagonistas os seus pontos de vista.
   Como sempre teve bons cliff hangers e para além disso boas surpresas que já não me lembrava do anime, ou seja ainda melhores surpresas para quem não viu o anime. Foi agradável ter a meio do volume umas páginas dedicadas à fama dos mangás que este livro fala, em que se podia votar para saber qual era o mais famoso (apesar de já ter sido há alguns anos) com comentários das personagens. Foram uns bons momentos de risos.
   Para saberem mais dos volumes anteriores basta seguirem este link e chegarão lá: Crítica - Bakuman vol.6 - Recklessness and Guts
   Boa Leitura... ;)
7/10

André

quinta-feira, 18 de junho de 2015

Booking Through Thursday - Férias

   Quando viajas, levas um livro contigo? Ou uma pilha deles?
   E, essa pilha é ainda uma carrada de papel para arrastar? Ou usas um e-book reader como um Kindl ou o teu iPad para carregares o peso? (Porque, mesmo que prefiras em papel, pode ficar pesado quando estás a viajar!)

   André: Comigo viagens é sinal de levar montes de livros comigo... A não ser que haja possibilidade de comprá-los para onde vou. Mas costumo levar dois ou três livros comigo... O suficiente para me entreter durante um bom tempo, e suficientes para não serem assim tão pesados nas malas.
   Como tal, não tenho assim a necessidade de ter o e-book reader para poder ler os livros que levo. Sou dos tradicionais que levam os livros para onde forem, o que pode resultar depois em areia pelos livros quando se vai à praia por exemplo.

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Cheiros - Paula Pimenta

   "Cheiros é um romance (a autora escreveu em 2009 o conto infantil Por Favor Também se Usa - Editora Contra Margem) cujo epicentro tem lugar em Luanda.
   Um cruzamento de estórias de quatro amigos de Luana (Diogo, António Maria, Eliseu e Benjamim), uns angolanos por nascimento, e outros por opção, todos apaixonados pela mítica capital de Angola. Luana, uma angolana que se tornou adulta em Portugal, estabelece com cada um destes quatro homens cumplicidades e afectos profundos, e serão eles que irão alterar o curso da sua vida para sempre."

   Boas Leitores...
   Esta semana tem sido em grande para o blogue. Qualquer coisa de novo todos os dias... "E segunda-feira?" perguntam-me vocês? Bem, todas as segundas-feiras há uma novidade literária, mas não no blogue, mas sim na página do facebook! No motor de busca procurem "Viagens por 1001 Mundos" e metam gosto, receberão as novidades todas!
   Livro agora. É um livro isolado, pequeníssimo, não chega a 100 páginas. Como diz a sinopse tem uma história principal e depois outras quatro estórias que estão relacionadas.
   Por ser pequeno, não há uma grande probabilidade de se criar um enredo fabuloso e digno de mestre. É simples, com poucas descrições. Não há previsibilidade, mas também não há imprevisibilidade. Antes que notemos temos as estórias a serem contadas e logo de seguida o enredo principal a desenrolar-se todo e antes que notemos... já acabámos o livro.
   A mesma coisa para o desenvolvimento das personagens, não existe. Apesar desta obra ser um suposto "retrato" do que realmente aconteceu a diversas pessoas isso não exclui o desenvolvimento das mesmas.
   Conclusão, se quiserem saber um pouquinho mais sobre Angola e não tiverem muita paciência para ler, é este o livro, escrita simples, pequeno e com uma história que começa e acaba ali.
   Boas Leituras... ;)
6/10

André

terça-feira, 16 de junho de 2015

Diga Adeus aos Mitos! - Aaron E. Carroll & Rachel C. Vreeman

   "Admita-o: tem mais acesso a informação médica do que nunca e, mesmo assim, ainda se deixa levar por crenças relacionadas com o seu corpo e a sua saúde que são totalmente erradas! Diga Adeus aos Mitos! desconstrói essas ideias preconcebidas e mostra-lhe a realidade tal como ela é. Conheça a verdade sobre estes (e muitos outros!) factos:
   Deve-se beber no mínimo oito copos de água por dia
   Não se deve acordar um sonâmbulo
   Por cada cabelo branco que se arranca, nascem dois."

   Boas leitores...
   Não se passou muito tempo desde a última vez que cá estive, mas isso é porque este livro para além de ser de fácil leitura é bem pequeno (não chega a 200 páginas). É um livro isolado como devem calcular e sinceramente não é algo que compraria. Foi-me oferecido como podem deduzir.
   Apesar de pensar que seria mais um livro escrito por não sei quem só a dar a explicação para este ou aquele mito estar errado esta obra enganou-me um pouco no bom sentido.
   Não só os autores davam explicações plausíveis e cientificamente corretas, como também referiam os estudos que haviam sido feitos naquela temática e se os estudos eram coerentes uns com os outros. Muitas outras vezes diziam também se os estudos tinham demonstrado uma causalidade ou uma associação, coisas ligeiramente diferentes, mas que as pessoas tendem a ignorar, tal como a significância estatística, também referida aqui neste livro.
   Para quem não entendeu algumas das palavras que aqui disse, também pode ler o livro, os autores tiveram o cuidado de escrever um glossário onde podem consultar as palavras mais difíceis para poderem entender o seu significado.
   E para aqueles mais curiosos, os estudos são também referidos no final do livro, se quiserem ver os estudos em si.
   É um livro mais ou menos, nada de grandioso, como se podia esperar, mas até nem está tão mau como alguns que já li deste género.
   Boas Leituras... ;)
6/10

André

domingo, 14 de junho de 2015

A Mão do Diabo - José Rodrigues dos Santos

   "A crise atingiu Tomás Noronha. Devido às medidas de austeridade, o historiador é despedido da faculdade e tem de se candidatar ao subsídio de desemprego. A caminho do centro de emprego, Tomás é interpelado por um velho amigo do liceu perseguido por desconhecidos. O fugitivo escondeu um DVD escaldante que compromete os responsáveis pela crise, mas para o encontrar Tomás terá de decifrar um criptograma enigmático.
   O Tribunal Penal Internacional instaurou um processo aos autores da crise por crimes contra a humanidade. Para que este processo seja bem-sucedido, e apesar da perseguição implacável montada por um bando de assassinos, é imperativo que Tomás decifre o criptograma e localize o DVD com o mais perigoso segredo do mundo."

   Boas leitores...
   Finalmente acabei um livro, que isto estava a demorar demasiado tempo para o livro que era. Este é mais uma obra do famoso autor português José Rodrigues dos Santos. É um livro isolado apesar do enredo envolver a mesma personagem que muitos livros dele tem, Tomás Noronha.
   Esta obra não atingiu quase nenhum patamar de qualidade para mim. Se extraíssemos todo o enredo deste livro de quase 600 páginas acho que teríamos talvez um mísero livro de pouco mais de 100. Isto porquê? Porque todo o resto da obra fala sobre a crise. Acho que não haveria muita mudança se o livro se denominasse Ensaio sobre a Crise porque é quase isso.
   Não digo que seja um total falhanço, porque o assunto interessa-me. No entanto quer o nome do livro (que cheguei a perguntar-me a mim mesmo o porquê deste nome) e quer o enredo parecem totalmente forçados na obra para que o autor possa falar do assunto que quer. E graças a isso não há entusiasmo algum. Não criei qualquer ligação com nenhuma das personagens e o enredo para além de curto era extremamente previsível. Houve até certos pormenores que começaram a tornar-se irreais no livro conforme avançávamos na história, quase perdendo a coerência.
   Acho que o único ponto positivo foi mesmo o tal "ensaio sobre a crise" onde conseguimos perceber realmente alguns assuntos que levaram à crise actual em que estamos. No entanto, mesmo este assunto chegou a ter algumas partes em que se tornava muito monótono e confuso, fazendo o leitor perder rapidamente a vontade de ler.
   Das obras que já li deste autor acho que pior mesmo só o Codex 632, cuja crítica não está no blogue (talvez um dia me dedique a isso e escreva). E isso diz muito da obra que poderia ter sido n vezes melhor.
   Boas Leituras... ;)
2.5/10

André

quinta-feira, 11 de junho de 2015

Booking Through Thursday - Revistas

   A que revistas é que subscreves? Pessoais? Profissionais?
   Ou pegas apenas/mais os periódicos dos teus quiosques?
   Como é que te sentes acerca das edições digitais versus as impressas?
   Guardas as cópias antigas depois de lê-las? Ou rapidamente as reciclas?

   André: Só há uma revista que subscrevo, é a Revista Bang! da editora Saída de Emergência, que infelizmente não tem uma edição mais regular do que de 3 ou 4 meses. Prefiro as edições impressas, até porque depois guardo-as nas minhas estantes quando acabo de as ler.

quinta-feira, 4 de junho de 2015

Booking Through Thursday - Formatura

   Maio e Junho... a época de formatura.
   Se fosses dar um livro como um presente de graduação a alguma pessoa ansiosa para se lançar no mundo... O que é que seria?

   André: Ui, escolha difícil... Mas se calhar daria o livro que acabei de ler, Legend, para mostrar que mesmo que as batalhas pareçam impossíveis de serem ganhas, e mesmo que vejamos o inimigo em proporções de 500 para 1 de nós, teremos sempre de lutar, e manter a nossa posição no mundo.

quarta-feira, 3 de junho de 2015

Legend - David Gemmel

   "Druss, Captain of the Ax, is the stuff of legends. Tales of his battles are told throughout the land, and the stories expand with each telling. But Druss himself grows older, until finally, the warrior turns his back on glory and retreats to his mountain lair. There he awaits his old enemy: death.
   But far below, the barbarian Nadir hordes are on the march. All that stands between them and the Drenai people is a mighty six-walled fortress, Dros Delnoch - a great citadel that seems destined to fall. If it dows, the Nadir will sweep inexorably across the land, killing all who oppose them.
   Reluctantly Druss agrees to come down from his mountaintop to lead this last, hopeless fight. Lost causes mean nothing to him - he has fought in such battles a thousand times in a thousand lands. And he is a hero to inspire a new generation of warriors. He is Druss the Legend."

   Hello readers!
   Outro livro em inglês, pensam vocês? Pois é, este foi aconselhado por um amigo meu, e ainda bem que o fez porque não fiquei nada desiludido. Este é o primeiro de uma saga com 11 livros, denominada The Drenai Saga, infelizmente poucos são os publicados em português, e daí ter optado por obter a colecção logo em inglês.
   É do campo da fantasia, no entanto pouco de fantasia tem (mas existe!). No entanto, isso não me deixou nada desiludido. Toda a obra baseia-se numa única batalha, de uma guerra maior do que o leitor imagina. Mas essa mesma batalha é preparada, posta em acção e terminada de forma magnífica e num ritmo fluído sem que nos apercebamos dessas mudanças.
   Além disso a evolução das personagens foi algo que me agradou, algumas das personagens principais têm um ligeiro desenvolvimento, mas não em demasia que fiquemos a pensar que aquilo é só sobre aqueles protagonistas.
   Só tive pena do final, as últimas páginas mesmo, onde o autor não conseguiu manter a história um pouco fria e dura e teve de dar a sua parte de final feliz. Durante toda a batalha, em que os exércitos marchavam sobre as muralhas, o exército invasor alcançando uma muralha de cada vez era deveras angustiante, levando-nos a pensar numa batalha totalmente impossível, mas sempre com a ínfima esperança que houvesse uma reviravolta. Este foi um sentimento muito bom de se ter durante a leitura.
   Fiquei curioso para ler mais... Mas não sei quando é que isso vai acontecer. Logo veremos!
   Boas Leituras... ;)
8.5/10

André