domingo, 26 de abril de 2015

O Olho da Lua - Anónimo

   "Até um assassino em série deve pensar na sua reforma. Especialmente depois de 18 anos de carnificina e uma data de bourbon.
   E assim acontece que o infame Bourbon Kid quer parar de matar. Mas isso não é tão simples. O monge Peto está na sua peugada, para vingar a morte de todos os seus confrades. Além disso, outras pessoas andam a tentar matá-lo: uma série de vampiros e mercenários, uma múmia, um novo Senhor das Trevas... a lista parece interminável."

   Boas leitores!!
   O mês está quase a acabar, e sabem o que é que isso significa? Que estamos a entrar no mês em que a Feira do Livro de Lisboa começa!! Mas até lá ainda teremos de esperar um mês e dois dias.
   Foquemo-nos então na minha opinião acerca da obra que acabei de ler. É o segundo de uma tetralogia, cujo nome é Bourbon Kid e cujo autor permanece anónimo até agora (a não ser que o nome dele seja mesmo "Anónimo"). Por enquanto só o primeiro e o segundo volume é que estão publicados em Portugal.
   Não sei se têm memória mas quando li a primeira obra, achei que fosse um policial, e estava muito bom para tal, até que no último quarto do livro a fantasia entrou em força e de forma barata. Pois bem, neste livro essa fantasia barata e comercial continuou durante toda a obra, o que tornou-a bastante cliché e sem sentido.
   A construção daquele mundo não é explicada na sua totalidade o que torna os acontecimentos um pouco incoerentes. Não há nada que diga se o mundo sempre foi daquela forma ou se foi sendo mudado ao longo dos tempos. Este é um dos grandes pontos negativos.
   Um ponto positivo é dado à escrita. O autor tem uma grande capacidade de escrita no que toca ao exagero. Na capa tem um comentário que diz e passo a citar "O equivalente literário aos explosivos filmes de Quentin Tarantino e Robert Rodriguez" e tenho de concordar com isto. Senti que estava a ler algo digno de Tarantino. E não me admirava nada que este último pegasse neste livro e fizesse uma adaptação cinematográfica. São estilos muito semelhantes.
   Gostei do último capítulo, foi um bom cliffhanger que me deu imensa vontade de saber mais, apesar do livro não ser nada de especial, deu-lhe um toque de ironia/comédia/suspanse.
   Agora é esperar para saber se sairá o próximo volume no nosso país... Até lá podem aproveitar e ficar com o link do livro anterior: Crítica - O Livro Sem Nome
   Boas Leituras... ;)
5.5/10

André

domingo, 19 de abril de 2015

Titus, O Herdeiro de Gormenghast - Mervyn Peake

   "No castelo de Gormenghast, uma vasta construção labiríntica e grotesca, nasce Titus, o filho herdeiro de Lorde Sepulchrave. O mundo de Gormenghast é predeterminado por rituais obscurecidos pela passagem do tempo e, ao longo dos corredores sombrios do castelo, a criança encontra algumas das estranhas personagens que irão moldar a sua vida: o taciturno e cadavérico Mr. Flay, o vulgar e obeso Swelter, mas, acima de todos, o ambicioso Steerpike que irá marcar a diferença na sociedade estagnada de Gormenghast com a sua mente maquiavélica e talento para manipulação.
   Prepare-se para uma história de vingança, conspiração e violência, mas também lágrimas e risos, sonhos e desencanto contidos no surreal labirinto de pedra que encerra a vida de Titus."

   Boas leitores!!
   Vou-me defender já e dizer que não sabia que este livro pertencia a uma trilogia quando o obtive! Sempre pensei que fosse um livro isolado, mas afinal não. É uma trilogia onde os dois primeiros volumes estão publicados em português.
   Tem um prefácio interessante que ilustra um pouco a vida e o ambiente onde o autor desenvolveu a sua obra e para além disso os desafios que teve de ultrapassar, nomeadamente a doença de Alzheimer quando esta ainda não tinha sido descrita.
   Pensei que estivesse a enlouquecer com esta leitura, quando li as primeiras cinquenta páginas. Só pensava "O que estou eu a ler? Eu li isto bem?" e outros pensamentos do género. A escrita leva-nos de um lado para outro sem qualquer suspeita, tanto estamos com uma personagem como ela encontra-se com outra e quando nos damos conta já estamos com a personagem que entrou depois. Um pouco confuso a início mas que depois apanha-se o seu jeito.
   Quanto ao ambiente da obra também ele é sempre meio obscuro, estranho e alternativo. Descrições profundas que dão um ambiente a Gormenghast um local que ninguém visitaria no seu estado pleno.
   Não posso dizer que exista um enredo em concreto nesta obra, temos a passagem do tempo e tudo o que isso envolve na convivência numa fortaleza como aquela. Mas isso não tira de todo a excelência da obra, qualquer pessoa pode acompanhar os dias a passarem e os acontecimentos a precipitarem-se uns sobre os outros. Por vezes a leitura pode tornar-se um pouco mais pesada por não termos algo de enredo em concreto e só coisas aleatórias.
   Mesmo assim aconselho a lerem não só por ser de um autor pouco conhecido mas muito bom, mas também porque é algo "alternativo" que todos os leitores deveriam ter um pouco de experiência.
   Boas Leituras... ;)
8/10

André

quinta-feira, 16 de abril de 2015

Booking Through Thursday - Não Lidos

   Qual é a proporção de livros que tens não lidos?

   André: Depende de que "não-lidos" estamos a falar, se for daqueles que já peguei mas não o li sequer então é 1 em 400 e tal. Se falarmos de livros que ainda não comecei a ler mas que os tenho em casa então já são uns 10 em 400 e tal outra vez.

sábado, 11 de abril de 2015

Soul Eater Vol.5 - While Our Soul Lasts till the Limit - Atsushi Ohkubo

   "On the night of DWMA's anniversary celebration, every meister and weapon in Death City has gathered at the school for an evening of music and dancing. Little do they know that the witch Medusa is about to crash Shinigami-sama's party. Trapping the meisters inside, the witch makes her way to the chamber where the First Kishin is imprisoned. Will the few meisters who've escaped be enough to prevent Medusa from rousing the madness that slumbers far below in the Kishin's domain?"

   Hello readers!
   Já há muito tempo que não aparecia aqui esta excelente colecção! Desde Janeiro que não sabiam de nada de Soul Eater não era? Pois bem, aqui têm, o 5º volume dos vinte e cinco que existem (já vamos a 1/5 de toda a colecção!!).
   Vamos lá então dar a opinião sobre este volume. São só 4 capítulos, e o que eu congratulei no volume anterior tornou-se a maldição neste. Falo do quê? Do facto dos capítulos fazerem parte de todo um grande arco, ou seja não são histórias mais ou menos isoladas como no volume anterior, são continuações uns dos outros. Isto até nem teria mal nenhum se em quatro capítulos ficasse terminado esse arco, mas não aconteceu isso. Começou neste volume, mas não acabou por aqui, e cheira-me que irá até meio do próximo volume pelo menos.
   Não é que se torne uma grande seca, está muito interessante até, normalmente quando isto acontece é porque a história está a engrandecer para apanhar um pico da qualidade da história, mas por vezes prolonga-se mais do que o necessário, ou então (esta é uma parte boa) quando acabamos o volume só temos é vontade de ir comprar logo o próximo para podermos ler o resto.
   Falando agora noutra coisa que no volume anterior congratulei, mas acabou por acontecer neste em grande: fanservice. Em grande quer dizer, são apenas duas páginas, mas que acabam por fazer fanservice de forma tão intensiva que se torna ridículo.
   O resto não tem muito mais que se lhe diga. O enredo está interessante e a chegar a um climáx, não houve um grande desenvolvimento das personagens (e continuo a achar que a arte está já bastante próxima do anime). Acho que os dois pontos a falarem-se neste volume são mesmo aqueles dois. Agora é esperar para LER MAIS!!
   Se na espera quiserem saber mais dos volumes anteriores, sigam os links, começando por este: Crítica - Soul Eater vol.4 - Let Us Have Mercy On The Crying Soul
   Boas Leituras... ;)
7/10

André

sexta-feira, 10 de abril de 2015

A Ilha das Trevas - José Rodrigues dos Santos

   "Paulino da Conceição é um timorense com um terrível segredo. Assistiu, juntamente com a família, à saída dos portugueses de Timor-Leste e a todos os acontecimentos que se seguiram, tornando-se um mero peão nas circunstâncias que mediaram a invasão indonésia de 1975 e o referendo de 1999 que deu a independência ao país.
   Só há uma pessoa a quem Paulino pode confessar o seu segredo - mas terá coragem para o fazer?

   A vida e a tragédia de uma família timorense servem de ponto de partida para aquele que é o romance de estreia de José Rodrigues dos Santos, precursor de grandes êxitos como A Filha do Capitão, O Codex 632 e A Fórmula de Deus.
   Um romance pungente onde a ficção se mistura com o real para expor, num ritmo dramático, poderoso e intenso, a trágica verdade que só a criação literária, quando aliada à narrativa histórica, consegue revelar."

   Olá leitores!!
   Já há algum tempo que não viam nada de opiniões por aqui, não era? Pois bem, aqui está uma nova de um autor que já não lia nada dele há imenso tempo. Ainda por cima um autor português! Pois bem, este é outro dos livros de José Rodrigues dos Santos e é como todos os outros, um livro isolado, que pode ser lido sem qualquer "pré-leitura".
   Apesar dos outros livros do autor não serem umas obras espectaculares ou más, não estava com grandes expectativas para esta. Talvez por saber que se tratava de algo histórico, um género que quase nunca leio e evito sempre ao máximo pela minha falta de interesse. Mas o certo foi que até gostei deste livro.
   Não só pela escrita interessante, a história que consegue pegar tanto em factos como em ficção e juntá-los harmoniosamente de tal forma que nem nos damos conta. As conversas entre figuras políticas, as estratégias dos países para fazerem o que quiserem, os massacres que ocorrem em Timor-Leste. Quando percebemos que se calhar não estamos a ler coisas que aconteceram realmente a vontade é a de ir pesquisar mais sobre o assunto e aumentar o nosso conhecimento.
   Só senti pena de não haver uma história contínua por toda a obra, o leitor segue uma personagem, depois é-lhe retirada e só volta a aparecer no fim do enredo, sem que por vezes se perceba para onde foi ou o que aconteceu entretanto.
   Foi por certo uma lufada de ar fresco tanto sobre o autor como sobre as obras histórico-fantasiosas. É uma obra muito boa! Aconselho a lerem se gostarem do género.
   Boas Leituras... ;)
7/10

André

quinta-feira, 9 de abril de 2015

Booking Through Thursday - Recomendado

   Lês livros recomendados pelos teus amigos? Ou preferes encontrar os teus próprios livros para ler.

   André: A maior parte dos livros que leio é claramente escolha minha, por isso é que muitas vezes me arrependo depois. Mas de vez em quando ainda sigo os conselhos de amigos meus, um caso desses até recente foi o livro Livro, aconselhado por muitos amigos meus.

sábado, 4 de abril de 2015

Uma Morte Súbita - J. K. Rowling

   "Pagford é uma idílica cidade inglesa, com uma praça principal em pedra de calçada e uma antiga abadia. No entanto, este belo cenário não passa de uma aparência que esconde uma cidade em guerra. Os ricos em guerra com os pobres, os adolescentes em guerra com os pais, as mulheres em guerra com os maridos, os professores em guerra com os seus alunos... Pagford não é o que parece à primeira vista. A história começa quando Barry Fairbrother, membro da Assembleia Comunitária, morre aos quarenta e poucos anos. Pagford entra em estado de choque e o lugar que ficou vazio torna-se o catalisador da guerra mais complexa que alguma vez ali se viveu. No final, quem sairá vencedor desta luta travada com tanto ardor, duplicidade e revelações inesperadas? É a partir de um enredo intrincado que J. K. Rowling cria um universo ficcional minucioso e consistente, a que não falta um toque de noir, caracterizando as personagens e respetivos estratos sociais com uma grande sensibilidade e a lucidez de quem sabe observar a partir de múltiplos pontos de vista."

   Boas Leitores!!
   Uma nova opinião no blogue! De uma das autoras que mais marcou a fantasia juvenil... J. K. Rowling, autora da saga Harry Potter! Sim, o certo é que este livro aqui não é de todo para quem gostou da saga juvenil.
   Este é um chamado "livro para adultos" o suposto livro escrito por Rowling para a geração que cresceu a ler Harry Potter e que queria continuar ao lado dela. Um livro isolado.
   Estava curioso para ler este livro, por variadas razões: para ver como seria uma história escrita por ela que não se centrasse na fantasia, para ver como seria a escrita dela comparado com a saga anterior, entre muitos outros pontos.
   Quanto à história, acho que saí um pouco desiludido. Teve um bom início, interessante, mas depois a imensidão de nomes e de personagens diferentes, introduzidas na história quase sem qualquer pausa achei muito confuso. Só após cerca de 150 páginas é que consegui perceber que personagens eram quais, e quais as respetivas famílias e enredos. O  final voltou a ganhar algum interesse mas apenas por ser o fim, acabando num climáx como seria de esperar.
   O certo é que podemos dizer que toda a obra é quase como uma novela que dá num canal de televisão. Vários dramas, várias personagens, todas acabando por ligar-se por algo em comum. Por vezes não havia profundidade nas histórias, outras vezes nas personagens.
   O ponto positivo foi que gostei da escrita dela. Notou-se bem a diferença, não só pelo decorrer do livro mas também ao tratar de certos assuntos apercebia-me que era como se estivesse a ler algo de um novo autor e não da mesma pessoa que escreveu a saga que li na minha infância.
   Não é de todo a melhor obra dela que por aí anda, Harry Potter está bem melhor, e claro que não devia compará-los por estarem em géneros diferentes, mas é impossível não compará-los quando a primeira saga se trata de algo que marcou imensa gente.
   Boas Leituras... ;)
6/10

André