sexta-feira, 27 de março de 2015

Divergente - Veronica Roth

   "Na Chicago distópica de Beatrice Prior, a sociedade está dividida em cinco fações, cada uma delas destinada a cultivar uma virtude específica: Cândidos (a sinceridade), Abnegados (o altruísmo), Intrépidos (a coragem), Cordiais (a amizade) e Eruditos (a inteligência). Numa cerimónia anual, todos os jovens de 16 anos devem decidir a fação a que irão pertencer para o resto das suas vidas. Para Beatrice, a escolha é entre ficar com a sua família... e ser quem realmente é. A sua decisão irá surpreender todos, inclusive a própria jovem.
   Durante o competitivo processo de iniciação que se segue, Beatrice decide mudar o nome para Tris e procura descobrir quem são os seus verdadeiros amigos, ao mesmo tempo que se apaixona por um rapaz misterioso, que umas vezes a fascina e outras a enfurece. No entanto, Tris também tem um segredo e que nunca contou a ninguém porque poderia colocar a sua vida em perigo. Quando descobre um conflito que ameaça devastar a aparentemente perfeita sociedade em que vive, percebe que o seu segredo pode ser a chave para salvar aqueles que ama... ou acabar por destruí-la."

   Boas leitores!
   Eu sei, eu sei, mais uma nova colecção para se juntar aqui às inacabadas, mas é impossível... E também sei que vou um pouco atrasado que este livro teve sucesso e já saiu o filme há muito tempo, aliás aqui em Portugal está é o segundo filme nos cinemas.
   Pois bem, este é o primeiro de 3 volumes, existe ainda um quarto com histórias pré-Divergente, mas que não pertence obrigatoriamente à colecção.
   Que tenho a opinar sobre esta obra? Tinha uma boa premissa no início que até estava a gostar, pensei que tinha um grande potencial e uma boa base para estruturar a partir dali para algo ainda melhor. Até que as coisas começaram a piorar.
   Antes de falar no mau, falarei num pormenor que estava a agradar-me muito, a autora conseguiu pelo menos descrever e desenvolver bem a protagonista. Tal como Brandon Sanderson em O Império Final  o leitor consegue perceber a mudança gradual da personagem conforme vai crescendo e amadurecendo.
   Tinha-me esquecido de um pormenor, era um livro feito para ser vendido às massas, tinha portanto de ser comercial. Conseguiu isso. A meio da obra começa o romance cliché e sem qualquer piada de tão previsível, foi mais ou menos aí que começou a descer na minha consideração.
   E quando nos aproximamos do fim fica cada vez pior com cenários tão óbvios e sem qualquer surpresa ou algo que nos faça sentir emocionados que o leitor fica apenas apático a ler ou então como eu a revirar olhos e a pensar se aquilo não foi visto antes num filme de baixa classe.
   Conclusão que tenho a tirar: não sei se vale o vosso tempo, ainda darei outra oportunidade e lerei o 2º, visto que o tenho aqui e já não seria a primeira vez que uma obra melhora imenso depois do primeiro volume. Por isso é esperar e ler!
   Boas Leituras... ;)
4.5/10

André

quinta-feira, 26 de março de 2015

Booking Through Thursday - Carregador

   Carregas um livro contigo? Dentro de casa? Sempre que vais à rua? Sempre, em qualquer lugar, está praticamente colado aos teus dedos?

   (E sim, livros digitais contam desde que estejas a gastar tempo a lê-los no teu Kindle ou iPad e não apenas a carregá-los de livros que não leias realmente.)

   André: Sim, ando sempre com um livro atrás. Se ando de transportes tenho um livro comigo para me entreter. Se planeio passar mais do que meia hora numa divisão da casa, então lá vem o livro atrás. Por vezes é como se fosse mesmo uma extensão dos meus braços.

sábado, 21 de março de 2015

Livro - José Luís Peixoto

   "Este livro elege como cenário a extraordinária saga da emigração portuguesa para França, contada através de uma galeria de personagens inesquecíveis e da escrita luminosa de José Luís Peixoto. Entre uma vila do interior de Portugal e Paris, entre a cultura popular e as mais altas referências da literatura universal, revelam-se os sinais de um passado que levou milhares de portugueses à procura de melhores condições e de um futuro com dupla nacionalidade. Avassalador e marcante, Livro expõe a poderosa magnitude do sonho e a crueza, irónica, terna ou grotesca, da realidade. Através de histórias de vida, encontros e despedidas, os leitores de Livro são conduzidos a um final desconcertante onde se ultrapassam fronteiras da literatura.
   Livro confirma José Luís Peixoto como um dos principais romancistas portugueses e contemporâneos e, também, como um autor de crescente importância no panorama literário internacional."

   Olá a todos os leitores!
   Um novo escritor a entrar no grande exército do Viagens por 1001 Mundos! Ainda por cima português! E bem famoso. José Luís Peixoto! Já há muito tempo que me aconselhavam a ler obras dele, pois bem aqui está a primeira, e de certeza que não será a última.
   Este é um livro isolado, que qualquer pessoa poderá ler sem ter lido nada dele antes. Pode parecer estranho ao início, com uma escrita um pouco desconcertante, mas que nos habituamos em pouco tempo e que após essa habituação flui pelos nossos olhos como um rio.
   Uma história bela, que provavelmente cria laços com qualquer leitor por ter um ou outro familiar a emigrar ou que já emigrou e passou por parte disto. O enredo é composto por duas partes, uma primeira mais ao estilo romancista, como se de um Romeu e de uma Julieta se tratassem, com várias histórias ao mesmo tempo que vão dando introduções sobre as diversas personagens. Esta parte é interessante pelo tipo de escrita que vamos percebendo do autor.
   No entanto, achei a segunda parte muito melhor. O romance foi posto um pouco de lado e passou a um registo mais filosófico ou pensativo. Por vezes confuso devido aos saltos temporais para o futuro ou para o passado mas que com mais atenção apanhamos rapidamente e lemos de forma ávida.
   Foi nesta segunda parte que o autor adoptou também uma escrita interactiva com o leitor, como se estivesse a falar com directamente com ele. Enquanto lia sentia que tinha José Luís Peixoto à minha frente a falar comigo com se a personagem estivesse viva. Um grande ponto positivo para isto!
   Aconselho vivamente para quem não gosta do estilo de fantasia ou ficção. E até para os que gostam... Convém sempre lermos um pouco de tudo não é?
   Boas Leituras... ;)
8.5/10

André

quinta-feira, 19 de março de 2015

Booking Through Thursday - Primavera

   Que livro novo faz-te saltar da tua cadeira e correr para as livrarias? (Ou bibliotecas, ou ecrã de computador mais próximo, dependendo do teu método-de-entrega de escolha.)

   André: Se não fossem tão caros os livros em Portugal, de certeza que assim que saíssem livros dos autores George R. R. Martin, Peter V. Brett, Patrick Rothfuss ou ainda Brandon Sanderson, nem esperava um dia, era logo ir aos sites do costume ou às livrarias do costume e comprá-los logo!!

domingo, 15 de março de 2015

Bakuman vol.6 - Recklessness and Guts - Tsugumi Ohba & Takeshi Obata

   "Is becoming a successful manga artist an achievable dream or just one big gamble?
   Average student Moritaka Mashiro enjoys drawing for fun. When his classmate and aspiring writer Akito Takagi discovers his talent, he begs Moritaka to team up with him as a manga-creating duo. But what exactly does it take to make it in the manga-publishing world?
   Moritaka and Akito's hard work is paying off, and they start challenging their rival Eiji's popularity in Shonen Jump. But just as they plan to take the next step, the team is hit with a surprising setback. Moritaka and Akito will need the help of their manga artist friends to overcome this hurdle!"

   Hellooooo!
   Nova opinião no ar! Ou melhor, no blogue! Mais um mangá para se juntar aos outros que já cá estão. Este é o sexto volume da saga Bakuman.
   Já estava com saudades de ler um mangá destes (tenho ainda mais saudades de ler Soul Eater é verdade, mas em breve aparecerá um) e porquê? Para além de ter uma história interessante, educativa e engraçada é uma leitura bastante leve e que sem darmos por isso lemos dezenas e dezenas de páginas e acabamos o volume em menos de 24h.
   Mesmo sabendo a história acho que é fabuloso a forma como conseguiram agarrar-me na mesma com características como o romance, muito bem delineado, mas ao mesmo tempo sem deixar o leitor saber se concorda ou não, dividindo-o assim. A amizade e a rivalidade também estão representados neste volume como algo que empurra a maior parte dos acontecimentos na vida das personagens.
   Além disso, estava certo na opinião que fiz ao volume anterior. O suspense foi aumentado logo no início. E felizmente esse enredo que foi gerado, foi resolvido ainda no mesmo volume não prolongando de forma indefinida. E ainda conseguiram criar mais suspense com a forma como acabaram o volume.
   A única falha que houve acho que se refere mais a um ponto da história que se relaciona com o duo principal que é o constante desespero deles a voltar sempre ao mesmo ponto. Torna-se um pouco repetitivo, mas também acho que parte disso é propositado, para fazer os leitores pensarem da mesma forma que eles, desesperados por conseguir serializar as suas obras.
   Está um bom volume e fiquei curioso para mais! Entretanto podem ver a opinião anterior por este link: Crítica - Bakuman vol.5 - Yearbook and Photobook
   Boas leituras... ;)
7/10

André

sábado, 14 de março de 2015

Impacto - Douglas Preston

   "O agente Wyman Ford é enviado numa expedição secreta ao Camboja para localizar a origem de umas deslumbrantes jóias que não aparentam ser deste mundo.
   Um meteoro brilhante ilumina os céus da costa de Maine... e duas jovens partem em direção a uma ilha distante para encontrar a zona de impacto.
   Um cientista descobre uma fonte inexplicável de raios gama no Sistema Solar Exterior. É encontrado decapitado e todas as informações são dadas como desaparecidas.
   Imagens de alta resolução da NASA revelam algo escondido nas profundezas de uma cratera em Marte. Algo que acabou de ser ativado."

   Boas leitores...
   Mais uma opinião nova! E em breve virá outra que estou actualmente a ler um mangá. Quanto a este livro, é o segundo do autor que leio, pertence a uma suposta colecção denominada "Wyman Ford". Porquê suposta? Porque não acho que isto se trate realmente de uma saga. É como Dan Brown, vários livros que podem ser lidos independentemente uns dos outros mas que têm sempre a mesma personagem principal.
   Agora vamos a pormenores técnicos. Enredo? Como podem ver está tudo dito na sinopse, uma grande salganhada de coisas que acabam por se juntar no fim para solucionar tudo. Não é um bom plot de todo. Achei até certas partes repetitivas, uma parte de acção no final pareceu-me a mesma que aconteceu a 1/3 do livro, apenas com alguns pormenores diferentes.
   As personagens estão simples, sem grandes crescimentos. Não há maneira nenhuma de criar uma empatia com alguma personagem visto que o autor não explorou essa parte para tentar conectar os leitores a elas.
   Para além disso parece não ter havido alguma pesquisa do autor pelo significado de asteróide/meteoro/meteorito/etc. Não sei se foi propositado ao não, para mostrar a ignorância dos protagonistas, mas as personagens tanto usam uma palavra como outra para definirem o mesmo, quando estas palavras têm claramente significados diferentes.
   Pontos bons? Não sei se houve grandes pontos bons. Não foi um bom policial, até porque no fim tornou-se uma obra de ficção científica com um desenlace ridículo para salvar a situação. Mas bem temos de congratular o autor pela diversidade de cenários que conseguiu desenvolver. Se isso é bom ou não numa obra destas, deixo ao vosso critério.
   Boas Leituras... ;)
3/10

André

quinta-feira, 12 de março de 2015

Booking Through Thursday - Estantes

   Pergunta em duas partes:

   Num mundo ideal, que tipo de estantes terias? Incluídas nas paredes? Antigas com portas de vidro? As mais baratas para que pudesses ter montes delas?

   E... que tipo de estantes é que tu REALMENTE tens?

   André: O meu sonho seria ter um imenso escritório cheio daquelas estantes antigas em madeira, com escadas para subi-las. Estariam por todo o escritório... E no resto da casa também algumas outras estantes mas mais económicas.
   As que realmente tenho... São as mais baratas, IKEA, só para poder ter algumas que alberguem os meus queridos livros.

sexta-feira, 6 de março de 2015

The Final Empire - Brandon Sanderson

   "The mists rule the night... The Lord ruler owns the world.
   For a thousand years the ash fell. For a thousand years, the Skaa slaved in misery and lived in fear. For a thousand years, the Lord Ruler reigned with absolute power and ultimate terror, divinely invincible. Every attempted revolt has failed miserably.
   Yet somehow hope survives. A new kind of uprising is being planned, one that depends on the cunning of a brilliant criminal mastermind and the courage of an unlikely heroine, a Skaa street urchin, who must learn to master Allomancy, the power of a mistborn.
   What if the prophesied hero had failed to defeat the Dark Lord? The answer will be found in the Mistborn trilogy, a saga of surprises that begins here."

   Boas leitores!
   Aqui estou eu com um grande fenómeno que chegou o ano passado a Portugal! Brandon Sanderson era um autor já muito esperado devido à sua fama na fantasia nomeadamente com a finalização da saga Wheel of Time.
   Este é o primeiro livro da primeira saga publicada cá. A original consiste em três volumes se não me engano mas cá em Portugal serão cinco, sendo os dois últimos divididos em dois (para obterem mais lucro ou para proveito dos leitores, fica a questão).
   Agora quanto à obra, tinha grandes expectativas devido à quantidade de opiniões muito positivas que tinha visto pouco depois do lançamento desta obra. Não sai desiludido.
   Um mundo novo, estranho, um pouco difícil de abarcar ao início pela imensidão e desolação torna-se pouco depois num mundo, estranho na mesma, mas curioso e que não nos importaríamos de dar uma vista por uns dias. A magia, exactamente o mesmo, esquisita de início, com Puxar e Empurrar que se farta, mas assim que se apanha o jeito só sobra a vontade de experimentá-la.
   O enredo absorve-nos por completo. Senti-me como se tivesse a mão do autor a guiar-me pela história sem saber o que aconteceria, surpresas eram bem-vindas, as batalhas eram pontos altos e a intriga como cereja no topo do bolo que não se desmanchou de maneira nenhuma!
   Achei até que a caracterização das personagens estava bem conseguida, sem perder incoerência e evoluindo de maneira muito boa. Mas isso é algo a ver nos próximos livros.
   Só houve uma pequena falha, um pequeno cliché que poderia ter tornado a obra uma novela autêntica relacionado com o amor. Felizmente não foi muito grave e a história não evoluiu nessa direcção.
   É um livro que aconselho vivamente a lerem, até porque agora estou super curioso para ler a continuação visto que este acabou de forma um pouco misteriosa, sem que se perceba muito bem o que será do futuro do Império Final.
   Boas Leituras... ;)
9/10

André

quinta-feira, 5 de março de 2015

Booking Through Thursday - Capas

   Capas duras ou capas normais (paperback)?

   André: Normalmente vou sempre para as capas normais, ou paperback por serem mais baratas, mas a verdade é que há livros que ficam com outro ar com esse tipo de capas duras, mais majestosos e adequados a um bom amante de livros. Mas no fundo as capas paperback também! Qualquer capa é boa desde que seja uma capa com umas ilustrações adequadas.