sábado, 26 de outubro de 2013

Verdade de Ser - Fernando Jorge

   "Os elixires são uma concretização do conhecimento egípcio, um conhecimento que trazemos no nosso ser, e que cada vez mais somos levados a manifestar na terra. São novos. Manifestam-se pela primeira vez na terra, para nos ajudarem a trabalhar e a criar em nós o Homem Novo que transportamos. O Homem Novo é um estado de consciência que compreende todas as nossas manifestações de Ser, incluindo a dimensão física.
   Tantas vezes trabalhamos a nossa consciência de vida, esquecendo a nossa parte física ou a dimensão colectiva da nossa expressão individual. Estes elixires recordam-nos que somos tudo isto. Despertam em nós a informação do céu e da terra."

   Boas outra vez leitores...
   Um bónus para hoje e para o fim-de-semana, mais uma crítica, é o que dá ler livros ou cheios de imagens (como os mangás) ou com menos de cem páginas (como este mesmo que tem apenas 78 páginas).
   Este livro é um outlier do blogue, não é costume ter livros deste género aqui, mas como sempre ouvi dizer que se deve ler de tudo um pouco, para aumentar os nossos horizontes e para sabermos de tudo um pouco, e como para além disto tudo o livro foi-me oferecido, decidi lê-lo (a este e a mais uns quantos que vêm aí).
   Como tal, este livro fala de uma maneira alternativa de estarmos bem connosco mesmos, através destes tais "elixires Terys", não que após ter lido este livro queira experimentar estas soluções mas é sempre bom saber as mil e uma alternativas que temos quando achamos que não estamos bem ou com o mundo ou com nós mesmos e achamos que algo diferente pode resultar.
   Este livro não consegue ter uma crítica como as outras que falo da história, das personagens nem de nada do género, portanto tenho pouca coisa para dizer, mas por acaso posso afirmar que acho que o autor poderia ter desenvolvido mais esta ideia e escrito mais sobre os chakras e esses assuntos em vez de se basear tanto no "estes elixires vão surtir efeito e só isso". De resto a escrita está boa, o livro está num formato onde dá a sensação que não foi o autor que escreveu o livro mas sim um "escritor fantasma" o que dá uma má impressão do mesmo.
   É um livro alternativo para quem gosta deste tipo de coisas, se quiserem comprá-lo estão à vontade para fazê-lo, podem inclusivé comprá-lo aqui: Wook
   Boa Leitura... ;)
4/10

André

Death Note vol.6 - Give-and-Take - Tsugumi Ohba & Takeshi Obata

   "Light Yagami is an ace student with great prospects - and he's bored out of his mind. But all that changes when he finds the Death Note, a notebook dropped by a rogue Shinigami death god. Any human whose name is written in the notebbok dies, and now Light has vowed to use the power of the Death Note to rid the world of evil. But when criminals begin dropping dead, the authorities send the legendary Detective L to track down the killer. With L hot on his heels, will Light lose sight of his noble goal... or his life?
   Give-and-Take
   Although they've collected plenty of evidence tying the seven Yotsuba members to the newest Kira, Light, L and the rest of the task force are no closer to discoverng which one actually possesses the Death Note. Desperate for some headway, L recruits Misa to infiltrate the group and feed them information calculated to bring Kira into the open. But the Shinigami Rem reveals to Misa who the Kiras really are, and, armed with this knowledge, Misa will do anything to help Light. But what will that mean for L...?"

   Boas leitores...
   Mais uma vez estou aqui para dar-vos uma críticazinha para o vosso fim-de-semana, desta vez dum mangá que já não havia nenhum nos últimos tempos e tenho de admitir que me surpreendeu o volume anterior a este ter ficado nos post's mais visualizados dos últimos 30 dias durante uma semana e tal, superando outros livros e novas críticas, veremos se este tem a mesma qualidade.
   É que apesar deste ter sido um pouco melhor acho que não melhorou substancialmente. Mais de metade do volume foi acerca do assunto do volume passado, que tinha a opinião que serviam basicamente para "encher chouriços" só mais ou menos nos últimos três capítulos (de nove que compõem o volume) é que começou a tornar-se novamente interessante.
   Por este volume estar ainda no mesmo assunto do anterior transportou muitas coisas que não gostava como a visão principalmente da polícia e não dos Kiras nem dos Shinigamis, assuntos que me interessavam bem mais.
   Mas como acho que este "spin-off" está quase a terminar, o próximo volume já vai ter uma melhor pontuação, é só esperar para ver. Se quiserem entretanto ver a crítica do volume anterior, o volume tão visualizado, basta seguirem o link seguinte: Crítica - Death Note vol. 5 - Whiteout
   Se quiserem comprar o livro, façam-no pelo link seguinte que estarão a ajudar o blog: Wook
   Boa Leitura... ;)
6/10

André

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Crescendo - Becca Fitzpatrick

   "A vida de Nora Grey continua longe de ser perfeita. Sobreviver a um ataque que podia ter-lhe custado a vida não foi fácil, mas tudo se resolveu, graças ao seu anjo da guarda - uma criatura misteriosa, sedutora e bela.
   Mas Patch tem sido tudo menos angelical. Está mais distante do que nunca e parece estar a passar demasiado tempo com a arqui-inimiga de Nora, Marcie Millar.
   E, como se isso não bastasse, Nora é assombrada por recordações do seu pai assassinado, começando a pensar que as intrigas dos anjos poderão estar relacionadas com a morte dele.
   Desesperada por desvendar os estranhos acontecimentos do seu passado, Nora expõe-se ao perigo, na esperança de encontrar algumas respostas.
   Mas todos sabemos que há perguntas que nunca devem ser feitas..."

   Boas leitores...
   Aqui estou, desta vez não demorei muito tempo para obter uma nova crítica para vocês. Desta vez o segundo livro da tetralogia Hush Hush.
   É um livro que muitas vezes me recordo (e muitas vezes me recordam) que é semelhante ao Crepúsculo, basta substituir os vampiros por anjos e de certa forma isto está certo, o enredo parece-se com o outro, com uma paixão proibida e perigos para a personagem feminina.
   No entanto, há certas diferenças que valem a pena. Uma personagem que adoro, a Vee, melhor amiga da personagem principal é simplesmente fantástica, o sentido de humor e as respostas sempre na ponta da língua fizeram-me rir várias vezes enquanto lia. O ambiente de filme de espionagem que se criou por duas ou três vezes no livro também aumentou o meu gosto pela obra, isso tenho de congratular a escritora, escreveu bastante bem essas partes do livro.
    Estou curioso para saber como será o terceiro livro e se manterá a qualidade deste. Mas para isso terei de esperar imenso tempo. Se entretanto quiserem comprar este livro basta clicarem neste link: Wook
   Para saberem mais do livro anterior da colecção sigam o próximo link: Crítica - Hush Hush
   Boa Leitura... ;)
7/10

André

domingo, 20 de outubro de 2013

A Brisa do Oriente - Volume 2 - Paloma Sánchez-Garnica

   "Alguns anos depois, Umberto de Quéribus reencontra o seu amigo, o cavaleiro Esteban de Clary, em Cinca. Na sua busca pelo conhecimento de outras doutrinas e pelas suas próprias origens, Umberto vai deparar-se com perigos constantes e situações arriscadas. Que segredo guardam os monges acerca da identidade da sua mãe? Que é feito de Constanza, o amor da sua vida, a mulher que o fez pôr em causa toda a sua crença eclesiástica?
   Em 1204, acompanhando o seu abade, Umberto de Quéribus, um jovem monge de Cister, inicia uma viagem que o levará a Constantinopla.
   A partir desse momento, arrastado para perigos e situações extremas, em que perde a candura infantil, a sua vida muda completamente.
   Durante a viagem de regresso ao mosteiro, conhece a insensatez da guerra, a violência desmedida e a imoralidade da avareza. Questiona a obediência cega e luta constantemente com a dualidade do que lhe ensinaram e o que sente. Aprende a amar e o sentido mais profundo da amizade.
   A sua aproximação inconsciente à heresia acaba por colocá-lo em perigo, ao ponto de se ver obrigado a abandonar o mosteiro depois de ver a catástrofe semeada à sua volta."

   Boas leitores...
   Mais uma vez aqui estou, com uma crítica visto que ultimamente o BTT não tem aparecido não sei porquê, algo se deve passar com a pessoa responsável pela manutenção do site.
   Vamos lá passar as informações deste livro: é o segundo de uma dupla, cujo primeiro volume já foi lido e a crítica está presente neste blogue, deixarei um link para tal post mais abaixo.
   Quanto ao livro por si, melhorou bastante em relação ao primeiro, a escrita pareceu-me um pouco mais emocionante, apesar das contínuas descrições pormenorizadas e exageradas. Por outro lado a história continuou entre o histórico e o fantástico com a quantidade de "coincidências" a acontecerem de forma estrondosa.
   Um pormenor interessante e que deve definir aqui muitas opiniões, este livro fez-me lembrar imenso o Memorial do Convento de José Saramago, pela construção do mosteiro que toma grande parte da obra, tal como no livro do autor português a construção do convento é relatado pedra por pedra, neste livro também acontece.
   O fim do livro surpreendeu-me excepto as últimas duas páginas, que me desiludiram completamente, mas pronto esta é a minha opinião e estou certo que muitas outras pessoas terão achado exactamente o contrário a mim.
   Se quiserem saber do livro anterior a este, basta seguirem este link: Crítica - A Brisa do Oriente - Volume 1. Para comprarem este livro, caso o queiram fazer, podem fazê-lo por este link que ajudam o blogue! Wook
   Boa Leitura... ;)
6,5/10

André

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Belladonna - Anne Bishop

   "Há muito tempo, Efémera foi dividida em inúmeras paisagens mágicas ligadas somente por pontes. Pontes que podem levar quem as atravessa para onde realmente pertence e não ao local onde pretende chegar.
   Uma a uma, as paisagens de Efémera estão a cair na sombra. O Devorador do Mundo está a espalhar a sua influência, manchando as almas das pessoas com dúvida e medo, alimentando-se das suas emoções mais negras. A cada vitória o Devorador aproxima-se da conquista final.
   Apenas Glorianna Belladonna possui a habilidade de frustrar os planos do Devorador. Mas os seus poderes foram mal interpretados e incompreendidos. Determinada a proteger as terras sob o seu domínio, Glorianna defrontará o Devorador sozinha se assim estiver no seu destino."

   Boas leitores...
   Aqui estou lentamente a colocar críticas aos poucos, ainda por cima ultimamente o BTT tem estado com algumas falhas, a semana passada não houve nenhuma pergunta, veremos como estará amanhã.
   Vamos agora falar mas é da crítica, 2º livro da colecção Mundo Efémera inicialmente eram para ser só dois mas entretanto mais dois livros foram escritos que envolvem este mundo.
    Quanto a este volume, tem tanta qualidade quanto o primeiro, quer em relação à escrita quer em relação à história. Achei um pouco "menos bom" o facto de não haver tanta pormenorização no enredo entre o casal amoroso Glorianna e Michael como houve no primeiro livro entre Sebastian e Lynnea, acho que tornaria o livro um pouco mais emocionante, principalmente no final. Final esse que me deixou um pouco frustrado e mesmo nas páginas finais deixou-me melancólico, o que é sempre uma boa coisa.
   Fiquei bastante curioso sobre os dois outros livros que existem da autora sobre este livro visto que estes livros que li deixaram algumas curiosidades em mim, principalmente o futuro de algumas personagens e questiono-me se essas curiosidades serão apaziguadas nessas outras obras.
   É um livro que aconselho a lerem, se quiserem ler ou saber mais sobre o livro anterior da colecção basta seguirem o link que está aqui: Crítica - Sebastian
   Para comprarem este livro aconselho-vos a fazerem-no por este site: Wook
   Boa Leitura... ;)
8,5/10

André

terça-feira, 8 de outubro de 2013

A Brisa do Oriente - Volume 1 - Paloma Sánchez-Garnica

   "Em 1204, acompanhando o seu abade, Umberto de Quéribus, um jovem monge de Cister, inicia uma viagem que o levará a Constantinopla. A partir desse momento, arrastado para perigos e situações extremas, em que perde a candura infantil, a sua vida muda completamente.
   Durante a viagem de regresso ao mosteiro, conhece a insensatez da guerra, a violência desmedida e a imoralidade da avareza. Toma igualmente consciência das verdadeiras consequências da obediência cega e da enorme incerteza na destrinça do que está bem e do que está mal, imerso numa luta constante entre o que lhe ensinaram e o que de facto sente. É atingido pela flecha do amor indomável e adolescente e descobre o desassossego provocado pelo sentimento de culpa, o ferrão do ressentimento e, sobretudo, o sentido mais profundo da amizade, encarnada no cavaleiro Esteban de Clary e no monge Roger, com quem aprenderá o significado da cultura, a importância do que se escreve e a influência e o poder do copista ao manejar, alterar ou mudar completamente o texto escrito. A sua aproximação inconsciente à heresia acaba por colocá-lo em perigo, ao ponto de se ver obrigado a abandonar o mosteiro depois de ver a catástrofe semeada à sua volta."

   Buenos dias!
   Para começar Outubro, que já vou bem tarde, temos uma crítica duma obra espanhola, traduzida para português claro, ainda não adquiri a capacidade de entender a 100% o espanhol.
   Esta obra é o primeiro volume de dois e conta basicamente a história dum monge chamado Umberto de Quéribus. É quase como uma bibliografia, mas escrita num romance histórico.
   Foi um livro que me custou um bocado a ler, no sentido de que a história não me apelava muito, parecia demasiado falso, para ser um romance histórico e demasiado verdadeiro para ser um romance fantasioso, ficou lá no meio o que não me agradou lá muito.
   A meio o livro melhorou substancialmente quando a personagem principal se manteve no mosteiro, onde a história pareceu mais um suspanse e um misto com acção do que a história sem fim que parecera antes. No entanto, quando chegou a cerca de três quartos do fim voltou a descambar num aborrecimento e na mesma monotonia de antes .
   Não sei se deva aconselhar este livro, e se sim, não sei a quem. Não aos que gostam de fantasia, mas não sei se os que gostam de romances históricos irão gostar deste, talvez devam experimentar, quem sabe se não passarão a gostar. Se quiserem comprar o livro podem fazê-lo aqui: Wook
   Boa Leitura... ;)
4/10

André

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Booking Through Thursday - Apontado

   Qual é melhor (ou preferido)... histórias com múltiplos pontos de vista de várias personagens? Ou histórias que se fixam numa ou duas no máximo? E porquê?

   André: Eu acho que depende um pouco da história em si, mas a maior parte das vezes, quando envolve várias coisas a acontecer em vários lugares ao mesmo tempo, gosto de saber tudo de todos os pontos de vista possíveis, até porque não é só o facto de podermos "ver" as coisas a acontecer numa outra posição, mas é também vê-las e saber como é que determinada personagem se sente em relação a isso, é algo diferente e espantoso ao mesmo tempo.