domingo, 30 de junho de 2013

Windhaven - George R. R. Martin & Lisa Tuttle

   "George R. R. Martin, mundialmente famoso pela saga épica de A Guerra dos Tronos, alia-se a Lisa Tuttle na criação do mundo de Windhaven, um planeta que se tornou o refúgio dos humanos após um desastre espacial. Constituído por pequenas ilhas, clima impiedoso e mares infestados de monstros, Windhaven é uma terra que tem tanto de sonho como de pesadelo.
   Ao descobrirem neste novo planeta a habilidade de voar com asas de metal, os voadores de asas prateadas tornam-se a elite e levam a todo o lado notícias, canções e histórias. Atravessam oceanos, enfrentam as tempestades e são heróis lendários que enfrentam a morte a cada golpe traiçoeiro do vento.
   Maris de Amberly, filha de um pescador, foi criada por um voador e nada mais deseja do que conquistar os céus de Windhaven. A sua ambição é tão forte que a jovem desafia a tradição para se juntar à elite. Mas cedo irá descobrir que nem todos os voadores estão dispostos a aceitá-la e terá de lutar e arriscar a vida pelo seu sonho. Conseguirá Maris vencer ou tornar-se-á uma testemunha do fim de Windhaven?"

   Olá leitores...
   Aqui estou eu com uma crítica fresquinha neste verão impiedoso. Mais um livro de um dos melhores escritores de sempre. Mas, desta vez o livro não pertence a nenhuma colecção, é um livro "solto", felizmente, que já tenho demasiadas colecções inacabadas.
   Quanto ao livro tenho a dizer que foi uma excelente escolha juntar estes dois escritores, não conhecia a autora Lisa Tuttle, mas a obra que criaram em conjunto é magnífica.
   O livro é do mesmo calibre que a famosa colecção de A Guerra dos Tronos, consegue ter a mesma intensidade e estrondo que os outros livros. Não só pela escrita, que é constantemente envolvente, e é feita com perspectiva numa só personagem, ao contrário da outra colecção de George R. R. Martin, mas também pelo facto do livro quase conseguir entranhar todas aquelas sensações e emoções de voar e ser livre daquela maneira ao leitor.
   E tal como consegue passar esse tipo de sensações passa todas as outras como a tristeza e o desespero das personagens. Foi inclusivé dos pouquíssimos livros com que sonhei quando me fui deitar depois de ler, não parava de pensar naquela história.
   O fim foi um pouco inesperado apesar de não ser muito surpreendente. Foi um bom final digamos assim.
   É um livro que aconselho a todos, se quiserem comprá-lo podem fazê-lo aqui: Wook
   Boa Leitura... ;)
9/10

André

quinta-feira, 27 de junho de 2013

Os Melhores Contos de H. P. Lovecraft Volume 5 - Howard Phillips Lovecraft

   "O mestre do horror clássico está de volta com contos que ajudaram a moldar a definição de horror na literatura. Com tradução do Prof. José Manuel Lopes, este é mais um volume que ficará para a história do género em Portugal. Este volume inclui os seguintes contos:
Contos:
A Pequena Garrafa; A Gruta Secreta ou a Aventura de John Lee
O Ministério no Cemitério ou »A Vingança do Homem Morto», Uma História de Detectives
O Navio Misterioso ; A Criatura na caverna
O Alquimista

Outros Contos:
O Túmilo ; Dagon
Doce Ermengarde ou O Coração de Uma Rapariga do Campo
Uma Reminiscência do Dr. Samuel Johnson
Memória ; O Velho Bugs
A Transição de Juan Romero ; A Rua
Celephaïs ; Os Outros Deuses
Herbert West, O Reanimador
Hypnos ; Ar Frio
O Povo Antiquíssimo
A História do Necronomicon
A Cor Vinda do Espaço
Ibid ; O Clérigo Maldito

Fragmentos:
Estrela Polar ; Azathoth
O Descendente ; A Criatura ao Luar
O Livro

Contos em Colaboração:
A Poesia e os Deuses com Anna Helen Crofts
O Caos Rastejante com Winfred Virginia Jackson
O Horror no Museu com Hazel Heald
O Desafio do Além com C. L. Moore, A. Merritt, Robert E. Howard e Frank Belknap Long"


   Boas leitores...
   Mais uma vez neste mês preenchido estou cá para entregar uma nova crítica. Esta é do último volume da colecção de Os Melhores Contos de H. P. Lovecraft que contava com 5 volumes.
   Este volume não me desiludiu uma vez mais apesar da grande probabilidade de o fazer com a quantidade de contos que estavam nesta obra.
   Houve contos que para mim, não fizeram quase sentido nenhum e foram bastante abstractos, o que já é um pouco normal ao ler Lovecraft. Mas houve ainda uns outros que me fizeram agarrar ao livro como se não houvesse amanhã, fizeram-me lê-los deitado na cama a saber de coisas terrificantes e assustadoras ao ponto de me ir deitar e ficar a pensar naquilo, o que é extremamente bom, raramente me deixo ficar assim, é preciso o tipo de escrita ser bastante envolvente para isso acontecer, e realmente foi o que aconteceu desta vez.
   Ou seja apesar da quantidade de contos desnecessária, visto que há contos de uma página que não chegam a criar nenhuma ligação com o leitor, há outros, que por acaso são quase sempre os mais longos que criam uma extensa ligação com o leitor aprisionando-o.
   É uma excelente experiência que aconselho a todos. Se quiserem comprar o livro podem fazê-lo aqui: Wook. Podem ainda ver a crítica feita ao volume anterior desta colecção seguindo o próximo link: Crítica - Os Melhores Contos de H. P. Lovecraft Volume 4
   Boa Leitura... ;)
7/10

André 

Booking Through Thursday - Leitura de Verão

   Inspirado por uma conversa com um colega de trabalho no outro dia:
   É altura para uma leitura de Verão, por isso... a pergunta de hoje? Qual é a pior coisa que fizeste ao teu material de leitura? Areia para as páginas na praia? Deixaste cair na piscina? Capas sujas com protector?
   E, se nunca fizeste nenhum dano à leitura de Verão... Alguma vez danificaste algum livro/revista/papel? Deixaste cair na banheira? Usaste para matar um bicho? Entornaste café?

   André: Nunca danifiquei os meus livros com nenhuma destas coisas. No entanto já me aconteceu uma vez ter guiões de estudo feitos por mim e estar a estudar ao sol e de repente começar a sangrar do nariz, deixando cair algumas gotas de sangue nas folhas, sujando-as completamente, mas pronto, não foi nenhum livro nem documentos importantes, depois substitui as folhas por isso...

domingo, 23 de junho de 2013

Broceliande - Jean-Louis Fetjaine

   "Século VI.
   As terras da Bretanha são assoladas por guerras e discórdias religiosas. Os exércitos bretões tentam unir-se para combater os invasores saxónicos, pictos e gaélicos.
   Apanhado nesta tormenta de violências, acusado de feitiçaria e banido pelos homens, Merlim só pensa numa coisa: descobrir o segredo da sua ascendência. Convencido de pertencer ao povo dos elfos, dirige-se para a grande floresta de Broceliande. Acompanhado pelo monge Blaise, atravessa o mar e chega à Pequena-Bretanha. Mas, muito depressa, é surpreendido pelo seu passado humano…
   No reino dos Escotos do Dal Riada, nasceu o príncipe Artur. A rainha Guendoloena, convencida de que a vida do filho corria perigo, envia o seu servo pedir a ajuda do seu verdadeiro pai… Merlim.
   Epopeia encantadora, fresco histórico, Broceliande conduz-nos até aos alvores da Idade Média, onde coabitam o maravilhoso e a perversidade dos tempos sinistros. De Merlim, conhecíamos o mito. Jean Louis Fetjaine devolve-lhe aqui toda a sua dimensão histórica e humana."

   Hallo pessoal...
   Este mês está definitivamente a ser deveras produtivo, está cheio de críticas de variados livros. Aqui vai mais uma, também do fim de uma colecção.
   Esta colecção era só composta por dois volumes, e tinha o nome de O Caminho de Merlim, sendo este o último volume.
   Em relação ao primeiro volume acho que não ouve assim tantas diferenças, o que de certa forma é mau. O livro continuou a cingir-se demasiado nos pormenores e nas descrições o que tornava a leitura um pouco aborrecida, principalmente quando apareciam descrições de uma página inteira.
   Desta vez o livro esteve um pouco mais inclinado para o fantasioso em vez do histórico, ao contrário do primeiro livro apesar de neste livro o assunto principal, que supostamente é o caminho de Merlim, não ser muito focado, principalmente no segundo terço do livro. Tornou um pouco confuso as várias coisas que aconteciam na ilha que parecia que não tinham mesmo nada em comum com o que se passava com a personagem principal.
   Está mais ou menos, este livro, um pouquinho melhor em relação ao primeiro mas não muito melhor. Se quiserem comprar o livro, podem fazê-lo aqui: Wook
   Para lerem a crítica ao volume anterior podem seguir este link: Crítica - O Caminho de Merlim
   Boa Leitura... ;)
5/10

André

sexta-feira, 21 de junho de 2013

A Primeira Nascente - P. D. Baccalario

   "De cem em cem anos, a humanidade é posta à prova. De cem em cem anos, quatro jovens têm de participar num grande desafio. Outros cem anos passaram e os jovens já foram escolhidos. Depois de Roma, de Nova Iorque e de Paris, o desafio continua em Xangai, a cidade da Água.
   19 de Setembro, Xangai. Faltam dois dias para o ajuste de contas, quando o Pacto entre Homem e Natureza for renovado. Mas muitas são as coisas ainda por esclarecer.
   Electra, Mistral e Sheng estão sentados à mesa, uma mesa de cristal que parece flutuar no meio das nuvens, no hotel mais alto do mundo. Viajaram com nomes falsos, para não levantar suspeitas. Mas uma coisa não corre bem: ao apelo falta Harvey. Tem o telemóvel desligado e não mandou uma mensagem sequer. E, no entanto, devia ter aterrado na China há horas... Precisamente naquele momento, Harvey está de facto dentro de um carro com vidros escurecidos, não muito longe do hotel. Ao volante está um chinês com uma tatuagem na nuca, com um ar que nada tem de amigável: Nik Knife. O carro pára diante do arranha-céus de Heremit Devil, o grande inimigo. O homem quer descobrir onde está escondido o quarto objecto. Custe o que custar..."

   Olá mais uma vez...
   Aqui estou eu, outra vez que estes últimos dias tenho posto cá críticas diariamente. Mas pronto vai acalmar por agora que este é o último livro da colecção Century e portanto não terei de colocar mais nenhum livro deles aqui à pressa.
   Então quanto a este último livro continua com coisas boas como o entusiasmo da escrita, a caracterização das personagens, principalmente do vilão da história, e o mistério de toda a saga.
   Por outro lado houve uma pequena parte que acho que foi um pouco para enrolar a história, mas não foi nada de preocupante nem que exasperasse o leitor.
   O final da colecção foi bastante bom, para livros infanto-juvenis. E tem toda uma moral por detrás da história que não poderia deixar de ter. No entanto, gostaria que o autor tivesse escrito um pouco mais sobre o que aconteceu a seguir do fim. Como um capítulo do género "cinquenta anos depois", mas pronto, isto é só parte da minha curiosidade ao vir acima.
   Este acho que foi o único livro que falhou na parte das imagens a meio do livro, no sentido de não ter colocado lá imagens de locais "chave" nesta obra. Houve imagens desnecessárias que poderiam ter sido substituídas por ilustrações dos últimos sítios visitados pelas quatro personagens principais.
   De resto foi uma colecção engraçada de se ler. Se quiserem comprar este último volume da colecção podem fazê-lo aqui: Wook
   Para verem a crítica ao livro anterior da colecção podem clicar no seguinte link: Crítica - A Cidade do Vento
   Boa Leitura... ;)
7/10

André

A Cidade do Vento - P. D. Baccalario

   "19 de Junho, Paris. No sexto andar de um edifício da Rue de l’Abreuvoir, Mistral observa as abelhas que esvoaçam em torno da janela do seu quarto. Do outro lado da rua, um homem com o cabelo branco e um olhar glacial observa-a. É Jacob Mahler, a última pessoa no mundo que Mistral queria ver.
   Por sorte não está sozinha: Sheng, Electra e Harvey acabam de chegar a Paris.
   Os quatro amigos andam à procura do misterioso véu de Ísis, escondido algures no coração da cidade. Mas a pérfida Mademoiselle Cybelle já lhes lançou aos calcanhares todos os seus informadores...
   Faltam apenas dois dias para o solstício de Verão e Sheng, Electra, Harvey e Mistral já não podem fingir ignorá-lo: são eles os escolhidos para renovar o Pacto entre o Homem e a Natureza.
   E o tempo está mesmo a esgotar-se."

   Boas ávidos bibliófilos!
   Aqui está o penúltimo livro da colecção Century que se passa desta vez na cidade de Paris.
   Neste livro as coisas não mudaram muito em relação aos outros dois o que por um lado é bom, porque manteve um bom nível de escrita e um bom nível de acção ao longo do livro, mas por outro lado é mau, porque manteve basicamente o mesmo plano, a mesma base do livro, o que corta um pouco o entusiasmo do leitor.
    O final do livro é que teve mais alguma surpresa que o normal quando acontece um desastre. Cria aquele género de curiosidade em que o leitor pensa "tenho de ir comprar o próximo livro!", o que não me aconteceu a mim visto que só passado à volta de dois anos é que estou a ler o último livro da colecção e por essa razão aposto que muitos pormenores já os perdi e portanto estas críticas também não são de muita fiabilidade, mas é o que se arranja.
   A crítica do último livro será mais constructiva, garanto-vos. Se entretanto quiserem comprar este livro basta seguir este link: Wook
   Se quiserem saber a crítica aos volumes anteriores da colecção vão seguindo este link: Crítica - A Estrela de Pedra
   Boa Leitura... ;)
7/10

André

quinta-feira, 20 de junho de 2013

A Estrela de Pedra - P. D. Baccalario

   "Quatro amigos, quatro cidades do mundo, quatro elementos da Natureza e mistérios muito antigos que os unem a todos. Conseguirão Electra, Sheng, Mistral e Harvey resolver os enigmas, apesar das forças negras que se lhes opõem, e salvar o planeta? Para isso, terão de aceitar o desafio de CENTURY!
   16 de Março. Nova Iorque está praticamente gelada. Harvey, Mistral, Electra e Sheng estão no hall do Hotel Mandarim Oriental, de novo reunidos. Escolhem uma mesa meio escondida, junto à enorme vidraça que dá para o Central Park. No meio da mesa está o antigo mapa de madeira que encontraram em Roma. Cada um deles tem um pião na mão. Estão prontos a lançá-lo.
   Só assim poderão desvendar o mistério que os rodeia e decidir o que vão fazer primeiro: tentar descobrir porque anda o malvado proprietário do Lúcifer a segui-los. Recuperar o quinto pião, que foi roubado à vista de todos. Ou, mais difícil do que tudo, encontrar a Estrela de Pedra.
   Sabem, no entanto, que, façam o que fizerem, têm de o fazer muito rapidamente. E que já não podem voltar atrás."

   Boas mais uma vez pessoal...
   Passado um dia, aqui me encontro outra vez, para agora dar a crítica do segundo livro da colecção Century.
   Desta vez o livro passa-se em Nova Iorque e para além de continuar com o mesmo entusiasmo que o outro livro, com um certo mistério ao longo de toda a obra, houve uma melhoria em relação ao outro: as personagens estão mais bem personalizadas, entendemos melhor como se sentem as personagens e os seus sentimentos.
   A escrita do leitor apesar de ser feita para jovens é bastante empolgante e fácil de se ler o que cria o bichinho de "vou ler só mais uma página".
   Uma vantagem que não sei se disse na crítica ao primeiro livro é que a meio destes livros encontram-se imagens e desenhos de pormenores do livro que, para além de aguçar a curiosidade do leitor foi graças a isto que descobri um monumento que gostaria de visitar, as quatro estátuas do museu Índio. Parecem ser uma daquelas coisas a ver antes de morrer, e foi graças a este livro que as descobri.
   É uma colecção interessante de se ler e que se quiserem comprar este livro podem fazê-lo aqui: Wook
   Se para alem disso quiserem ler a crítica ao livro anterior, podem fazê-lo aqui: Crítica - O Anel de Fogo
   Boa Leitura... ;)
7/10

André

Booking Through Thursday - Elenco de Pesadelos

   E o contrário, onde os actores foram mal escolhidos para personagens que conheceste nas primeiras páginas de um livro? Culpas os actores ou os escritores ou pessoas relacionadas com o filme pelo falhanço? Quem escolherias para esse papel?

   André: Sim por vezes os actores são mal escolhidos, não sei de quem é a culpa, possivelmente dos directores dos filmes que deviam tentar reproduzir fielmente o livro. Tenho dois exemplos, no filme Eragon, o actor principal para mim nunca criou uma ligação que eu pudesse dizer "ahhh sim aquele é o Eragon!" para além de que no livro ele era moreno e no filme, loiro.
   Outro caso foi no filme Juntos ao Luar em que ocorreu o mesmo, a rapariga no livro era morena e no filme foi aparecer loira. Deve ser algum complexo que os criadores dos filmes têm com as pessoas morenas mas enfim... Ahahahah
   Mas se me perguntarem também quem escolheria para esses papéis não vos saberia responder, precisava de ter uma grande lista de pessoas, ou então no caso da rapariga, mudava-lhe a cor do cabelo... Ela fez o papel bem até.

quarta-feira, 19 de junho de 2013

O Anel de Fogo - P. D. Baccalario

   "Quatro amigos, quatro cidades do mundo, quatro elementos da Natureza e mistérios muito antigos que os unem a todos. Conseguirão Electra, Sheng, Mistral e Harvey resolver os enigmas, apesar das forças negras que se lhes opõem, e salvar o planeta?
   Para isso, terão de aceitar o desafio de CENTURY!
   A cada cem anos, a humanidade é posta à prova, e o pacto entre o homem e a natureza é renovado. A cada cem anos, quatro jovens têm de participar num grande desafio.
   Outros cem anos passaram e os jovens voltam a ser escolhidos.
   Desta vez o desafio começará em Roma, a cidade do Fogo, e os escolhidos são a italiana Electra, o japonês Sheng, a francesa Mistral e o americano Harvey. Até há pouco tempo não se conheciam, agora encontram-se debaixo do mesmo tecto, num hotelzinho em Roma, e descobrem que têm algo em comum: todos nasceram no mesmo dia - 29 de Fevereiro!
   Como se não bastasse essa estranha coincidência, quando saem do hotel às escondidas, na noite de 29 de Dezembro, para irem explorar a cidade coberta de neve, são seguidos por um estranho homem que lhes entrega uma mala e desaparece. O desafio começou.
   Dentro desta mala, um mapa de madeira com aspecto muito antigo desafia a imaginação dos amigos, mas muito em breve uma série de outros estranhos acontecimentos começará a arrastá-los para uma aventura inimaginável e gigantesca que passará por quatro grandes cidades do mundo e pelos quatro elementos da Natureza, que eles terão de apaziguar: Roma, Nova Iorque, Paris e Xangai serão os epicentros do grande desafio de CENTURY!"

   Boas pessoal...
   Visto que o livro que actualmente estou a ler é o último da colecção e nenhum dos livros anteriores estavam no blog decidi colocá-los agora, apesar de já não me lembrar muito bem do que achei quando os li, vou tentar fazer uma mini-crítica de cada um deles.
   Então antes de mais este livro é o primeiro de quatro da colecção Century. Uma colecção bastante interessante e bem escrita.
   A história começa de uma forma um pouco estranha e confusa, mas nem por isso menos entusiasmante. E ao longo do livro A acção, o suspanse e o entusiasmo acompanham o leitor.
   Esta colecção tem uma particulariedade em todos os livros. Antes de mais, cada livro passa-se numa cidade diferente, e ao longo do livro vão sendo referidas várias coisas como locais, objectos, vistas panorâmicas que a meio do livro podem ser realmente vistas pelo leitor porque tem lá fotos, desenhos e bilhetes como se fossem os mesmos do livro.
   Acho por um lado que as personagens poderiam ter sido um pouco mais exploradas, não se falou muito bem disso, mas pronto foi um problema resolvido nos livros seguintes digo desde já.
   É um bom livro juvenil, engraçado de se ler, se quiserem comprá-lo podem fazê-lo aqui: Wook
   Boa Leitura... ;)
6/10

André

terça-feira, 18 de junho de 2013

As Cinquenta Sombras de Grey - E. L. James

   "Anastasia Steele é uma estudante de literatura jovem e inexperiente. Christian Grey é o temido e carismático presidente de uma poderosa corporação internacional.
   O destino levará Anastasia a entrevistá-lo. No ambiente sofisticado e luxuoso de um arranha-céus, ela descobre-se estranhamente atraída por aquele homem enigmático, cuja beleza corta a respiração.
   Voltarão a encontrar-se dias mais tarde, por acaso ou talvez não. O implacável homem de negócios revela-se incapaz de resistir ao discreto charme da estudante. Ele quer desesperadamente possuí-la. Mas apenas se ela aceitar os bizarros termos que ele propõe...
   Anastasia hesita. Todo aquele poder a assusta - os aviões privados, os carros topo de gama, os guarda-costas... Mas teme ainda mais as peculiares inclinações de Grey, as suas exigências, a obsessão pelo controlo… E uma voracidade sexual que parece não conhecer quaisquer limites. Dividida entre os negros segredos que ele esconde e o seu próprio e irreprimível desejo, Anastasia vacila. Estará pronta para ceder? Para entrar finalmente no Quarto Vermelho da Dor?"

   Boas pessoal...
   Mais uma vez aqui estou, para vos dar a crítica de um dos livros mais famosos do ano passado e que ainda teve bastante fama no início deste ano.
   Antes de mais, apesar de achar que toda a gente sabe, este livro é o primeiro de uma trilogia, dos quais obviamente que já estão todos publicados cá no país.
   Agora o livro... Antes de o ler já sabia perfeitamente pelo que é que o livro era conhecido, para quem não sabe, é o livro erótico mais falado dos últimos tempos. Tive amigos a lerem e a dizerem que fazia jus à reputação e outros a dizerem que não, era um bom romance e tudo o mais. Decidi lê-lo para ver qual teria razão.
   Não me surpreende nada dizer que ambos tinham razão, foi o livro com mais cenas eróticas que já li, tinha tantas que por vezes tornavam-se absurdas, por vezes pareceu-me que estavam ali apenas para ter mais do género. Por outro lado, tenho de dizer que é uma boa história de romance, com assuntos bastante sensíveis até.
   O livro, ou melhor, a autora, pecou bastante pela escrita, demasiado simplista, demasiado corriqueira. Por um lado via-se que o livro tinha sido escrito mesmo para qualquer pessoa o poder ler, nem que tivesse um pingo de inteligência ou um vocabulário menos aprofundado. Apesar disso houve partes que gostei da forma como a autora escreveu como a forma da personagem principal pensar para si mesma, dizendo que tinha mais duas personalidades dentro de si, uma deusa e a consciência.
   O fim estava muito bom e bastante dramático, por isso fiquei até muito curioso de ler o seguimento, mas a partir de agora vão ser os livros que comprei na Feira do Livro, em que esta trilogia não estava incluída, por isso.
   Bem se quiserem aproveitar e comprar o livro podem fazê-lo aqui: Wook
   Boa Leitura... ;)
6/10

André

sábado, 15 de junho de 2013

Death Note Vol.1-Boredom - Tsugumi Ohba & Takeshi Obata

   "Light Yagami is an ace student with great prospects - and he's bored out of his mind. But all that changes when he finds the Death Note, a notebook dropped by a rogue Shinigami death god. Any human whose name is written in the notebook dies, and now Light has vowed to use the power of the Death Note to rid the world of evil. But when criminals begin dropping dead, the authorities send the legendary detective L to track down the killer. With L hot on his heels, will Light lose sight of his noble goal... or his life?
   Boredom
   Light tests the boundaries of the Death Note's powers as L and the police begin to close in. Luckily Light's father is the head of the Japanese National Police Agency and leaves vital information about the case lying around the house. With access to his father's files, Light can keep one step ahead of the authorities. But who is the strange man following him, and how can Light guard against enemies whose names he doesn't know?"

   Olá leitores!!
   Rapidamente vos trago uma nova crítica com a surpresa de update do blog. Após muita insistência de amigos decidi entrar num mundo de literatura diferente do habitual, o mundo dos mangás. São livros de banda desenhada japonesa, como muitos o chamam e por vezes são verdadeiras obras primas, muitas pessoas já devem ter visto mas poucas se lembram, fica apenas em memória o facto de se ler ao contrário do normal (do fim do livro para o princípio). Devem conhecer alguns famosos como Dragon Ball, Naruto, Yu-gi-oh, etc. E a partir de agora o blog também terá mangás para todas essas pessoas poderem saber mais sobre elas. E quem sabe trazer mais pessoas também para este mundo.
   Então falando deste primeiro mangá do blog, é da colecção Death Note, são 13 volumes e acho que estão também publicados em português, mas como podem ter percebido o meu volume é em inglês, tal como será o resto da colecção (um bom bibliófilo tem sempre os volumes das colecções iguais, não tem uns em português e outros em inglês).
   Esta obra tem uma história espectacular e super interessante, mal peguei nele fiquei surpreendido não só pelos desenhos mas pelo enredo, é quase como se lê-se um livro ocidental, só que este tem imagens a acompanhar, tornando por vezes mais gráfica a imaginação duma pessoa.
   Para este primeiro volume com sete capítulos tenho de dizer que as personagens são bastante engraçadas e relacionam-se bem com o leitor. Bem escrito e desenhado pelos dois autores.
   É diferente de ler um livro normal, aconselho a todos a experimentarem, talvez passem a gostar. Se quiserem comprar este volume podem fazê-lo aqui: Wook
   Boa Leitura... ;)
8/10

André

The Great Hunt - Robert Jordan

   "There is a world of light and shadow, where good and evil wage eternal war. It is the world of the wheel of time, the greatest fantasy epic ever written.
   The Forsaken are loose, the Horn of Valere has been found and the Dead are uprising from their dreamless sleep. The Prophecies are being fulfilled - but Rand al'Thor, the shepherd the Aes Sedai have proclaimed as the Dragon Reborn, desperately seeks to escape his destiny.
   But Rand cannot run for ever. With every passing day the Dark One grows in strength and strives to shatter his ancient prison, to break the Wheel, to bring an end to Time and sunder the weave of the Pattern.
   And the Pattern demands the Dragon."

   Hello once again!
   Sei que mais uma vez demorei um pouquito para ler este livro, mas tudo se complica quando juntamos exames, estudo e livros de 700 páginas em inglês. Mas o que importa é que ele está aqui.
   É o segundo livro da colecção Wheel of Time que ainda há em português (vai só até ao quarto em português).
   É outro livro espectacular escrito por este autor ao nível de outros nomes grandes do fantástico como George R. R. Martin, ou J. R. R. Tolkien. A história é absolutamente envolvente e a escrita também.
   Desde o início ao fim que o leitor vai sendo surpreendido com o que acontece, quer seja com os locais, as personagens, o tempo, os acontecimentos, de pouco em pouco tempo o leitor fica agarrado ao livro para poder saber mais e ler ainda mais.
   O facto de haver capítulos com perspectivas de personagens diferentes ajuda a concretizar o ponto anterior. Estando em vários locais, o leitor vai sabendo coisas de vários pontos daquele mundo, que por vezes parecem não estar nada relacionados, mas que a "Roda do Tempo" acaba por juntá-los e formar o padrão.
   É um livro que aconselho vivamente a lerem, se quiserem comprá-lo podem fazê-lo aqui: Wook. Se quiserem saber a crítica do livro anterior a este basta clicarem no link seguinte: Crítica - The Eye of the World
   Tenho ainda de dizer que a próxima crítica trará uma surpresa para o blog, podem advinhar qual será vendo qual é o livro que está na minha mesa de cabeceira.
   Boas Leituras... ;)
9/10

André

quinta-feira, 13 de junho de 2013

Booking Through Thursday - Elenco de Sonho

   E enquanto pensamos em livros convertidos para televisão/filmes. Alguma vez te sentas e imaginas qual seria a pessoa que faria a personagem favorita de alguma obra? (Sente-te à vontade para dar exemplos)
   Que actores é que achas que fizeram um trabalho particularmente excelente de alguma das tuas personagens favoritas?

   André: Já fiz isso várias vezes, quando leio um livro parar e pensar que pessoa faria bem esta personagem, mas nunca chego a nenhuma conclusão definitiva.
   Já aconteceu ver actores e pensar que nunca escolheria aquela pessoa para fazer aquele papel, mas ainda bem que o realizador escolheu porque foi uma excelente escolha. Exemplo disso foi a Emilia Clarke que faz a personagem de Daenerys Targaryen da série Game of Thrones.

quinta-feira, 6 de junho de 2013

Booking Through Thursday - Escolher

   O que é que te faz escolher os livros que lês?
   Género? Críticas? Certos autores? Capas? Recomendações?

   André: Muitas das coisas que foram já ditas me fazem escolher um livro, se for de fantasia/ficção científica é mais provável que o escolha, tal como se forem livros de autores que já tenha lido é normal que os compre para ler mais coisas desses autores. As capas por vezes também me fazem escolhê-los, se forem bastante apelativas. E principalmente as recomendações, leio muitos dos livros que me forem recomendados.

The Eye of the World - Robert Jordan

   "There is a world of light and shadow, where good and evil wage eternal war. It is the world of the wheel of time, the greatest fantasy epic ever written.
   The Wheel of Time turns and Ages come and go, leaving memories that become legend. Legend fades to myth and even myth is long forgotten when the Age that gave it birth returns again.
   But one truth yet remains, and what mortal men forget, the Aes Sedai do not...
   What was, what will be, and what is, may yet fall under the Shadow"

   Hey there people, long time no see
   Voltando à língua original, aqui estou eu, passado bastante tempo do último livro, mas os exames não perdoam nunca e juntando isto ao facto de ter estado a ler um livro de aproximadamente 800 páginas em inglês, atrasa um pouco a minha rapidez de leitura.
   Falando agora do livro, pertence a uma saga, que pretendo lê-la toda, apesar de serem quase 20 livros. Esta saga existe cá em Portugal, sob o nome de Roda do Tempo, infelizmente a editora só publicou os quatro primeiros livros, cancelando a edição do resto, por essa razão decidi começar a comprar em inglês. E apesar de já ter lido os quatro livros portugueses vou voltar a ler esses quatro livros em inglês para conseguir por aqui críticas adequadas.
   Quanto à história do livro é uma das melhores histórias de fantasia que já li, apesar deste primeiro livro não mostrar tanto essa "awesomeness". Este livro é mais como uma introdução à história em si e às personagens, para que o leitor perceba que mundo é aquele e qual é a história em si. No entanto, todas as coisas que acontecem são de incentivar o leitor a ler cada vez mais.
   Tem uma particulariedade muito boa, que dependendo da história, os capítulos podem ser sempre do ponto de vista da mesma personagem ou então podem haver capítulos de outras personagens. Para além disso, no início de cada capítulo há um símbolo que dá algumas pistas sobre o que poderá acontecer no capítulo que o leitor está prestes a ler.
   Aconselho a todos a lerem, se quiserem comprar este livro podem fazê-lo por aqui: Wook. Se quiserem saber a crítica da prequela desta colecção podem fazê-lo seguindo este link: Crítica - New Spring
   Boa Leitura... ;)
8/10

André