segunda-feira, 30 de maio de 2011

Fanfan - Alexandre Jardin

   "Chamam-lhe a galinha dos ovos de ouro da edição francesa. Os seus leitores situam-se maioritariamente entre as mulheres e é mais lido nas pequenas cidades do que nas grandes metrópoles.
   Mas qual é afinal o segredo deste jovem escritor que é, actualmente, o autor francês mais traduzido do mundo?
   Filho da geração de sessenta, rejeita os valores e a maneira de viver dos seus pais. Apóstolo de um novo romantismo, cultiva o amor cortês, diz que o casamento é a grande aventura do nosso tempo e que o futuro pertence àqueles que se amam.
   Fanfan tem um pouco disto tudo. O regresso aos sentimentos e à emoção; é uma história comovente e fantasiosa, quase extravagante, que doseia, sabiamente, o romanesco e a perversidade."

   Boas leitores...
   Este livro, com 21 anos não está exactamente de acordo com a sinopse, por isso não sejam muito rigorosos.
   Este livro tem um nome peculiar que achei curioso, juntamente com a capa, um pouco perversa. Em relação à história do livro é juntamente com os elementos anteriores, bastante peculiar. Não quero desenvolver muito, mas trata-se de um homem que faz tudo pela mulher que ama, mas que não se atreve a juntar a ela com medo de causar o tédio entre eles.
   Apesar de alguns gestos um pouco exagerados para ser um romance real, achei bastante realista os outros pontos. Tem para além disso uma leitura fácil e poucas páginas, 190.
   Agora vou começar a árdua tarefa de ler outro livro de 300 páginas com letras minúsculas...

   Boa leitura... ;)
6/10

André

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Contos Escolhidos - Erckmann Chatrian

   "Sem sinopse"

   Boas pessoal...
   Aqui está o segundo livro da colecção que vos tinha falado antes, aquela que não sabia por quantos volumes era constituída nem por quem. Desta vez são vários contos de um outro autor.
   Devo dizer desde já que achei todos estes contos um bocado "infantis", no sentido de ser uma data de contos que no fim têm sempre uma moral, como por exemplo "não tenhas pensamentos maus, porque se não acabarás por ser tu o castigado" e coisas assim.
   Não posso dizer muito em relação às personagens, visto que eram todas diferentes em todos os dez contos, apesar de aparecer um nome repetido em vários contos, mas que não tem nada a ver com a personagem de outro conto qualquer.
   Achei um livro mediano, não tenho muito a dizer sobre ele. Talvez o próximo seja melhor, vou ver se o acabo antes do final do mês...

   Boa leitura... ;)
4/10

André

sábado, 21 de maio de 2011

A Túlipa Negra - Alexandre Dumas

   "Sem sinopse"

   Boas pessoal...
   Como podem ver este mês tem sido bom em livros, o Bruno publicou já dois e bem interessantes, vejam as críticas, e eu acabo de ler outro conto que já é bastante antigo.
   Duma editora que nunca tinha visto, Amigos dos Livros este livro pertence a uma colectânea de obras, eu só tenho esta e outra, que será o próximo livro a ler.
   Agora o livro em si, achei-o giro. Não aquela coisa espantosa que encontro de vez em quando, mas um daqueles livros que se lê e pronto, não sentimos um vazio mas também não sentimos um preenchimento.
   A história está engraçada, passa-se no século XVII mas não tem nada haver com reis e criaturas mágicas. Tem mais assuntos como túlipas, políticas e afins, não vos vou dizer muito, já que não há sinopse deixo-vos na incógnita para ficarem curiosos e comprarem-no.
   A leitura é bastante fácil e rápida, chegava a ler 50 páginas numa hora, quando tinha tempo. E como o livro tem menos de 300 páginas não é cansativo. É um livro regular.

   Boa Leitura... ;)
5/10
André

domingo, 15 de maio de 2011

O Incêndio - Valentin Rasputin

   "A resignação com que Ivan Petrovitch sempre encara a vida é, de súbito, abalada pelo incêndio que inesperadamente se propaga pelos armazéns da sua aldeia de madeireiros.
   A desordem imposta pelo fogo como que ateou em Ivan a insatisfação contida ao longo de tantos anos e, num repente, é todo um mundo que se habituara a aceitar sem condições que desaba perante os seus olhos, deslumbrados pelo esplendor das gigantescas labaredas.
   Enquanto tenta apagar as chamas, descobre, desiludido, que nem a sua Sibéria natal escapou aos novos tempos que, avassaladores e impiedosos, lhe transformaram a paisagem, descaracterizando-a irremediavelmente ao nível das pessoas e da própria Natureza..."

   Boas leitores...
   Mais um pequeno livro de 125 páginas que realmente dá para pensar. A sinopse diz tudo, este livro passa-se numa única situação, o incêndio, e depois há muitas divagações. O livro foi escrito em 1985 e, no entanto, algumas das divagações parecem ter sido feitas por alguém que vive agora.
   Achei interessante o facto de o livro todo basear-se num incêndio e nas acções tomadas por Ivan para explicar as divagações, tal como as personagens que vão entrando e saindo de cena.
   Não tenho nenhum aspecto deveras mau para apontar, no entanto este livro não foi um que me despertou muito a atenção, e deu para ver pelo tempo que demorei a ler.
   Acho que é um livro médio, nem muito bom, nem muito mau...

   Boa Leitura... ;)
5/10
André

À Volta de Laura - Lara Cardella

   "Laura era filha única de um casal com uma vida serena. Pai médico, mãe doméstica, modelos que encarnavam uma existência tranquila. Orgulhavam-se da filha, equilibrada e madura, de espírito independente, capaz de decisões firmes e seguras.
   Um dia, no consultório do pai, Laura conhece Paolo, que acompanhava a mãe a uma consulta. Amou-o logo... e casou. Com ele e com a família, que o matrimónio, ao contrário do que se pensa, não é coisa para se viver a dois. E depois foi o que se viu: sogra, cunhados e cunhadas, preconceitos, invejas e intrigas, os laços de família a transformarem-se em nós apertados à volta de Laura."

   Hello pessoal...
   Mais um livro lido, em pouco tempo até, dois dias praticamente, também é um livro pequeno, 125 páginas, e com bastante diálogo.
   Esse foi um ponto bom e, no entanto, mau... Bom porque tornava a leitura fácil e interactiva, parecia que estava a ler uma peça de teatro, ou uma daquelas sitcom americanas de famílias engraçadas... No entanto era um pouco mau porque estava mal estruturado, havia falas seguidas da mesma personagem mas em parágrafos diferentes, o que confunde um bocado o leitor.
   A história do livro é um bocado absurda de tão possível que pode ser. Há realmente famílias assim e são insuportáveis. O que contribui para a estranheza do livro é o fim, que não faz sentido nenhum e fica tudo no inacabado, sem se saber o que acontece.
   É um livro bastante engraçado e faz pensar que "felizmente não tenho uma dessas famílias". Um verdadeiro sitcom literário sem o ser.

   Boa Leitura... ;)
5,5/10
   
André

terça-feira, 10 de maio de 2011

O Jogo das Paixões - Alberto Bevilacqua

   "Dia ou noite, Veneza é afrontada pelas incursões do Airão Vermelho, a bordo do qual se dá continuidade a um baile de máscaras, a um jogo de paixões, a uma desenfreada luta de poderes.
   Marco Donati é o fio condutor da história. Mafioso, chantagista e óptimo manipulador de consciências angustiadas, pretende assumir-se como cidadão respeitável e conquistar Regina, cantora, bela, sedutora e infiel.
   Mas, como numa ópera verdiana, outras são as personagens que influem no enredo: Squeri, o sórdido polícia que quer desmantelar a "Ghenga", e Vito Lunardi, o jovem que deve vingar a morte do pai, o anterior Doge da mafia veneziana.
   Regulado pela perversão, pelo rancor, pelos segredos e por golpes de cena, este é um romance que só poderia concluir-se de forma surpreendente e magistral."

   Boas Pessoal...
   Antes de tudo, espero que tenham ido muito à Feira do Livro de Lisboa, está quase a acabar, eu fiz muitas comprinhas (17 livrinhos para ler), a feira acaba este fim-de-semana, se ainda não foram lá aproveitem...
   Agora O Jogo das Paixões. Escrito em 1989, mais um livro com alguma idade, retrata muito bem a mafia mais poderosa do mundo, a italiana. As várias intrigas, os jogos sujos, as traições, os golpes de Estado e as mortes são todos elementos presentes nesta obra.
   Desde o início do livro que fui lendo-o de forma céptica a julgar este livro um mau livro, mas após algumas cenas que achei interessantes o meu apetite por ele aumentou, não de forma significativa, mas aumentou, subindo na minha consideração.
   Apesar disso, tem alguns maus pontos que tenho de referir. A escrita, não é que seja difícil, só que não me entusiasmou muito, estava escrito de forma estranha e abstracta, se é que posso utilizar este adjectivo. Outro ponto foi as intrigas, planos e objectivos da personagem principal que nem sempre eram explicados.
   Não seria um livro que compraria para ler, ainda bem que mo deram.

   Boa Leitura... ;)
4,5/10
André

domingo, 1 de maio de 2011

O Velho e os Lobos – Julia Kristeva

   “Uma fábula cruelmente moderna.
   Este livro nasceu de uma amarga revolta contra a banalização da vida e da morte na sociedade moderna. É uma meditação sinuosa sobre a invasão da barbárie, quando uma civilização adoece, uma época morre e com ela a moral e a lei, a memória e a cultura. O ódio torna-se então o único elo entre os homens. É o tempo dos lobos, um mundo de azedumes e de náusea, de vinganças e crimes.
   Narrativa fantástica, romance policial ou conto filosófico, esta visão à maneira de um Goya negro dirige-se áqueles que, tendo perdido uma pessoa amada, desfalecem de angústia perante o inimaginável da morte e procuram exprimir a violência da sua solidão sem partilha possível.”

   Boas pessoal...
   Já em Maio e começando com um livro não muito apelativo.
   De 1991, este livro, muito mais filosófico que policial não me atraiu muito. Por uma só razão, as divagações filosóficas não eram muito lógicas, apareciam constantemente desfazando assim a história em si. O que antes era uma história interessante começou a parecer aborrecido devido a tantas divagações e tão estranhas.
   No início, o livro apelou-me bastante, o enredo do conto era bom, mas a meio o livro começou a parecer cada vez mais absurdo e difícil de compreender. Não pela escrita, que achei até engraçada, mas mais por falar dum assunto e depois no capítulo a seguir falar de outro assunto de outro tempo diferente.Num livro deste tamanho, 206 páginas acho que não devia ter a capacidade de fazer tantas mudanças, os acontecimentos da história em si depois ocorrem todos muito em cima uns dos outros.
   Enfim, não se pode agradar a gregos e a troianos não é?

   A Feira do Livro já começou e vai prolongar-se até dia 15 de Maio, aproveitem e comprem livros... :D

   Boa Leitura... ;)
3,5/10

André