quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Os Filhos de Húrin - J. R. R. Tolkien

   "Num tempo muito remoto, muito, muito antes dos tempos de "O Senhor dos Anéis", um grande país estendia-se para além dos Portos Cinzentos a Ocidente: terras por onde outrora caminhou Barba de Árvore mas que foram inundadas no grande cataclismo com que findou a Primeira Era do Mundo.
   Nesse tempo remoto, Morgoth habitava a vasta fortaleza de Angband, o Inferno de Ferro, no Norte; e a tragédia de Túrin e a sua irmã Niënor desenrola-se sob a sombra do medo de Angband e a guerra forjada por Morgoth contra as terras e cidades secretas dos Elfos.
   As suas breves e apaixonadas vidas foram dominadas pelo ódio que Morgoth lhes devotou como filhos de Húrin, o homem que ousou desafiá-lo e zombá-lo na sua própria face. Contra eles, enviou o seu mais formidável servidor, Glaurung, um poderoso espírito na forma de um tremendo dragão de fogo. Nesta história de conquista brutal e evasão, de esconderijos em florestas e perseguição, de resistência apesar do desespero, o Senhor Negro e o Dragão revelam-se de forma sombriamente articulada. Sardónico e trocista, Glaurung manipulou os destinos de Túrin e Niënor com mentiras e astúcia e perfídia diabólica — e a maldição de Morgoth foi cumprida."

   Boas Leitores!
   E para recordar um dos grandes escritores de fantasia do mundo, temos uma opinião de uma das suas side-stores. Os Filhos de Húrin é um livro isolado, um standalone, que ocorre no mundo de O Senhor dos Anéis, conhecido por todos.
   Como acontece sempre que se lê Tolkien, o início é bastante difícil, temos de remar a fundo para conseguir ultrapassar os mares atribulados de descrições, nomes e terras que o autor manda para cima. Mas assim que passamos essa tempestade e nos habituamos ao ritmo (e já não aparecem tantos nomes) o mundo é incrível. Tolkien não pára de surpreender o leitor com a imensidão do mundo que criou e os enredos que estão envolvidos nesse mesmo mundo.
   A história de Húrin e dos seus filhos é outro desses enredos. No início foi um pouco confuso e nem muito apelativo. Mas antes que me apercebesse estava apegado ao protagonista e a querer saber mais sobre a sua história e os passos que tomou. A mestria de um escritor de criar esse laço emocional entre leitor e personagem sem que o leitor se aperceba é excelente. E não foi só com uma personagem, várias delas foram ganhando um pouco de espaço na minha cabeça de forma a que quisesse seguir a sua história.
   Esta obra teve também a sua vantagem (do meu lado) de ter mais história sobre elfos, ou pelo menos estes entrarem mais no campo de acção. Sempre gostei de saber mais (mesmo após o Silmarillion) sobre esta raça e esta foi uma obra que deu alguns vislumbres.
   O final foi também digno de nota. O seu quê de Romeu e Julieta, mas apresentado de forma inteligente e com todos os mitos após os acontecimentos teve o meu apreço.
   É uma obra ao nível de Tolkien, como sempre. Para os fãns de O Senhor dos Anéis que ainda sentem saudades desse mundo, que tal darem uma vista de olhos a esta obra?
   Boas Leituras... ;)
8.5/10

André

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Booking Through Thursday - Formato

   Sendo todas as outras coisas (como peso, custo e por aí fora) iguais, qual é o teu formato favorito para ler um livro? Capa rígida? Capa mole? Velho? Novo? Primeira edição? Digital? Audio?

   André: Se todos os factores forem iguais, estaria dividido entre livros de capa mole e capa rígida, decididamente novos, não precisariam de ser de primeira edição, isso não me importa muito. Se os factores não forem iguais, então capa mole, o peso e custo dos livros de capa dura não compensam o que são.

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Renascença - Oliver Bowden

   "Traído pelas famílias que governam as cidades-estado italianas, um jovem embarca em uma jornada épica em busca de vingança. Para erradicar a corrupção e restaurar a honra de sua família, ele irá aprender a Arte dos Assassinos. Ao longo do caminho, Ezio terá de contar com a sabedoria de grandes mentores, como Leonardo da Vinci e Nicolau Maquiavel, sabendo que sua sobrevivência depende inteiramente de sua perícia e habilidade. Para os seus aliados, ele será uma força para trazer a mudança lutando pela liberdade e pela justiça. Para os seus inimigos, ele será uma ameaça que procura destruir os tiranos que oprimem o povo da Itália. Assim começa uma épica história de poder, vingança e conspiração."

   Boas Leitores!
   Houve uma pequena pausa aqui no blogue, mas não se preocupem porque estão planeadas muitas críticas para breve! Por enquanto situe-mo-nos nesta que é Renascença da famosa saga baseada nos jogos Assassin's Creed e que já conta com nove volumes, sendo este o primeiro deles todos. E sim, sei que o julgamento é grande... Começar mais uma colecção... Mas bem, tenho acabado algumas (acho).
   Passemos então a esta obra. Os meus sentimentos são mistos relativamente a esta obra. Por um lado, é realmente a adaptação do jogo, visto que está TAL E QUAL, sem tirar nem por, joguei-o uma vez e acho que até as falas são iguais, só faltava no livro estar "Agora carregue no botão X ou O". Isto não significa que seja mau, afinal é uma adaptação, se por vezes queremos que os filmes sejam tal e qual o livro, porque não querer que o livro seja tal e qual o jogo?
   O problema começa com a opinião das pessoas sobre o jogo. Eu achei o jogo um pouco repetitivo, sempre com missões muito semelhantes para fazer, aborrecendo-me. Como tal, seria melhor para mim se o livro não fosse uma adaptação tão fiel ao jogo e tomasse alguma liberdade. No entanto, ao ler o livro, achei a história mais interessante do que quando jogava, chamou-me mais a atenção. Mesmo assim, continuou a ser repetitiva.
   Nesta obra só temos realmente o protagonista como foco, mas não vemos bem o seu desenvolvimento porque entre os vários capítulos passam-se anos por vezes. Conseguimos entender com algumas pistas que ele amadurece com o tempo, como seria de esperar, e que o jovem que inicia a "aventura" não é o mesmo homem duro que a acaba. Mas para além disso não há muito mais, tal como não haveria num jogo.
   Não me querendo prolongar muito, acho que esta obra será muito polarizada, caso quem o leia tenha jogado o jogo correspondente, podem achar o jogo bom e o livro igualmente bom, ou achar o jogo mau e, como tal, o livro mau. Quanto às pessoas que nunca jogaram o jogo? Talvez terão uma experiência interessante, principalmente no seu final, que me puxou um pouco. E claro que estou interessado no segundo livro, porque o segundo jogo é muuuuito melhor do que o primeiro (e agora sem saber, o segundo livro já não é a adaptação fiel que o primeiro foi ahah).
   Boas Leituras... ;)
6/10

André

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Dança com o Diabo - Sherrilyn Kenyon

   "Zarek é o mais perigoso de todos os Predadores da Noite. Exilado no Alasca durante séculos, desprezado pela deusa que o criou e temido pela sua própria espécie, foi condenado à morte por Ártemis na sua última missão. A sua única hipótese de salvação vem do líder dos Predadores da Noite, Acheron, que convoca a justiça da ninfa Astrid; mas, em toda a história do mundo, Astrid nunca considerou ninguém inocente... Dizem que mesmo o homem mais amaldiçoado pode ser perdoado, mas conseguirá Zarek convencer Astrid de que, por trás de uma besta feroz, se esconde um ser humano que deseja amar e ser amado?"

   Boas Leitores!
   Aqui estamos com o terceiro volume da saga Predadores da Noite, a imensa saga com dezenas de obras, das quais este é apenas o quarto volume. Vá que em vez de um intervalo de dois anos entre o volume anterior e este, foi só de um ano desta vez. Não é que tivesse maior interesse nesta saga, mas como o meu livrólico interior dita "começas uma colecção, tens de acabá-la!".
   E como não valeu a pena. Tudo o que disse do volume anterior aplica-se aqui. Enredo previsível, personagens com muito pouco desenvolvimento, muitas cenas de sexo (estas últimas ao menos relativamente bem descritas).
   Comecemos pelo início, enredo. O certo é que desta vez foi ligeiramente diferente, envolvendo mais mitologia greco-romana, entre outras mais, do que o costume, e isso até que apelou um pouco , mas as bases são as mesmas: predador conhece rapariga, resistência a início que depois se transforma em amor, lutam contra probabilidades ínfimas para conseguirem estar juntos e tentem adivinhar o final? Ficam juntos.
   Quanto a personagens, esse é mesmo o ponto fraco da autora. São ocas e com estereótipos básicos, sem terem qualquer profundidade psicológica. E, como tal, o livro perde metade da piada dessa forma, quando estamos a ler uma história com bonecos em vez de pessoas com que nos ligamos.
   Por outro lado, é engraçado ler os livros por esta ordem tendo já lido a obra Acheron, porque em vez de ter Acheron como a personagem misteriosa e estranha em que cada livro dá uma pequena pista, assim sabe-se já quem ele é e vemos como todos os outros não sabem nada dele e a imagem que ele passa.
   Como seria de esperar, nada de novo em vários aspectos, mas hey, meio ponto por ter mais mitologia! Caso queiram saber mais sobre a saga, podem seguir o link para a obra anterior: Crítica - O Abraço da Noite
   Boas Leituras... ;)
5/10

André

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Soul Eater vol.18 - Atsushi Ohkubo

   "As Kid struggles against the madness deep in the Book of Eibon, a group of Spartoi members race to rescue their friend. Through page after page of Lust, Gluttony, and Envy, the students must conquer the seduction of their own fears and desires to reach the final chapter! Will their efforts be enough to give this tale a happy ending?!"

   Boas Leitores!
   Estamos a sete volumes do final! Pois é, este é já o décimo oitavo volume dos vinte e cinco desta saga. E continuamos num arco gigantesco que quase daria para ser o arco final!
   Tal como previ na opinião ao volume dezassete, este arco é um dos arcos grandes desta história. Todo o volume passa-se nesse arco, e foram mais quatro capítulos, e não acabou no quarto capítulo, ou seja, o próximo volume ainda vai ter muito para contar.
   E será que vale a pena este arco tão grande? Essa é, verdadeiramente, uma boa questão. É um arco interessante e que não está a ser prolongado como modo de "encher chouriços". Pelo contrário, está a ser rápido até. No final do volume anterior julguei que os próximos capítulos referenciariam cada um, um dos sete pecados mortais, mas não foi assim, por vezes os capítulos deste volume cobriram dois num estalar de dedos. E ainda bem para isso!
   Por outro lado, as personagens estavam um pouco aborrecidas. Entre os protagonistas Soul e Maka foi apenas mais do mesmo, que maça o leitor por estar a bater sempre na mesma tecla. Com os outros protagonistas, pouco se sabe, ou só se sabe algo mesmo no final do volume. Talvez parte da culpa disso seja do volume só ter quatro capítulos, não dando tempo suficiente para o leitor ligar-se às personagens.
   Quanto ao enredo, parece estar interessante, do pouco que avançou para além dos pecados mortais. Talvez no próximo acabe essa parte e avance decididamente, pelo menos aproxima-se uma batalha épica que deverá agarrar o leitor num piscar de olhos.
   Caso queiram saber mais sobre o volume anterior, e os que precederam esses, basta seguir o link: Crítica - Soul Eater vol.17
   Boa Leitura... ;)
7/10

André

quinta-feira, 6 de julho de 2017

Sangue do Assassino - Robin Hobb

   "Apesar de profundamente enredado nos seus conflitos pessoais, o Assassino tem de preparar uma expedição infalível às Ilhas Externas. Para isso há que ensinar ao príncipe dos Seis Ducados tudo o que conseguir sobre as duas magias - duas misteriosas e temidas magias inerentes ao sangue que ambos partilham. Mas na vida de Fitz nada é fácil, e o seu próprio desconhecimento de muito do que diz respeito a essas magias pode ter consequências catastróficas, tanto para si como para o herdeiro… e, em última instância, para o próprio reino.
   Mas as ameaças não se ficam por aí: quem são realmente aqueles estranhos vilamonteses que apareceram inesperadamente em Torre do Cervo? E os manhosos, que resultará dos seus conflitos internos e que atitude tomará a respeito deles a coroa dos Seis Ducados?"

   Boas Leitores!
   E temos mais uma vez no blogue Robin Hobb, excelente autora de vários livros, nomeadamente este. Sangue do Assassino é o terceiro volume dos cinco que existem em português. Para quem lê esta saga em inglês, este volume é a segunda metade do segundo livro da trilogia. Já estão todos publicados (quer em português quer em inglês) por isso se estavam com receio de começar uma saga ainda não acabada, nada temam.
   É uma obra muito boa tendo em conta o tamanho que tem, não chega às 400 páginas. A autora consegue contar uma história com pés e cabeça, e não uma balbúrdia de palavras com batalhas ou romances forçados sem qualquer contexto. Não só as personagens são caracterizadas ao pormenor, onde sentimos ligações diferentes a cada uma, desde o familiar amigo, angústia por quem conhecemos (ou parece que conhecemos), ou mesmo traição quando assim decorre. A autora sabe conduzir o leitor na sua mão para onde quer e isso é fantástico.
   Como se não bastasse, as magias associadas a este mundo estão bem produzidas, com vantagens e custos consistentes e que fazem sentido. Os assuntos que a autora aborda são polémicos e merecem ser discutidos e o enredo é brutal, levando o leitor a devorar páginas e páginas (ou horas e horas a ouvir audiobooks, se for esse o vosso caso).
   E os pequenos pormenores que são as frases ou relatos ou ainda fragmentos de textos do passado que aparecem no início de cada capítulo são pequenos presentes que a autora dá e que vai saciando a fome de conhecimento daquele mundo.
   Só tive pena do livro não ser maior, ou não termos ainda mais desenvolvimento, mas acho que faria sentido nos livros em inglês, onde teríamos começado muito atrás e o final deste seria até um final apropriado para um livro desse calibre.
   É uma daquelas obras (se não mesmo sagas) que merecem ser lidas, desejoso do próximo volume! Caso queiram saber mais sobre os volumes anteriores, sigam o link: Crítica - Os Dilemas do Assassino
   Boas Leituras... ;)
9/10

André

quarta-feira, 28 de junho de 2017

Flowers for Algernon - Daniel Keyes

   "Charlie Gordon, IQ 68, is a floor sweeper, and the gentle butt of everyone's jokes, until an experiment in the enhancement of human intelligence turns him into a genius. But then Algernon, the mouse whose triumphal experimental transformation preceded his, fades and dies, and Charlie has to face the possibility that his salvation was only temporary."

   Hey readers!
   Para variar um pouco, agora vamos opinar sobre um livro em inglês. Flowers for Algernon é uma obra isolada (nada de trilogias, sagas ou continuações malucas), que ganhou não só o Prémio Nébula para melhor romance, como também o Prémio Hugo para melhor conto. E bem merece esses prémios!
   Escrito de uma forma brilhante, num formato de entradas dum relatório ou diário, onde o leitor percebe perfeitamente como é o protagonista desta história, essa mesma escrita vai sendo alterada à medida que o enredo avança, acompanhando assim o desenvolver da personagem principal. A estratégia agarra quase de forma imediata quem lê e cria aquele elo emocional entre o leitor e o protagonista, onde sentimos parte do que ele sente.
   O enredo pode não ser dos mais complexos que andam por aí, é até bastante simples. Mas acho que é por essa mesma simplicidade que o livro ganhou mais pontos. É uma história simples, um rapaz que quer ser mais inteligente para que todos à sua volta possam orgulhar-se dele. E o que acontece quando ele assim se torna, não só com ele mesmo, mas também o que acontece com as pessoas à sua volta.
   Achei que fosse também um bom livro de alerta para pessoas que sofrem do mesmo e são alvo de muitos dos actos que acontecem ao longo do livro. Sem qualquer dúvida que vale a pena ler esta obra.
   Boas Leituras... ;)
8.5/10

André