quarta-feira, 19 de julho de 2017

Dança com o Diabo - Sherrilyn Kenyon

   "Zarek é o mais perigoso de todos os Predadores da Noite. Exilado no Alasca durante séculos, desprezado pela deusa que o criou e temido pela sua própria espécie, foi condenado à morte por Ártemis na sua última missão. A sua única hipótese de salvação vem do líder dos Predadores da Noite, Acheron, que convoca a justiça da ninfa Astrid; mas, em toda a história do mundo, Astrid nunca considerou ninguém inocente... Dizem que mesmo o homem mais amaldiçoado pode ser perdoado, mas conseguirá Zarek convencer Astrid de que, por trás de uma besta feroz, se esconde um ser humano que deseja amar e ser amado?"

   Boas Leitores!
   Aqui estamos com o terceiro volume da saga Predadores da Noite, a imensa saga com dezenas de obras, das quais este é apenas o quarto volume. Vá que em vez de um intervalo de dois anos entre o volume anterior e este, foi só de um ano desta vez. Não é que tivesse maior interesse nesta saga, mas como o meu livrólico interior dita "começas uma colecção, tens de acabá-la!".
   E como não valeu a pena. Tudo o que disse do volume anterior aplica-se aqui. Enredo previsível, personagens com muito pouco desenvolvimento, muitas cenas de sexo (estas últimas ao menos relativamente bem descritas).
   Comecemos pelo início, enredo. O certo é que desta vez foi ligeiramente diferente, envolvendo mais mitologia greco-romana, entre outras mais, do que o costume, e isso até que apelou um pouco , mas as bases são as mesmas: predador conhece rapariga, resistência a início que depois se transforma em amor, lutam contra probabilidades ínfimas para conseguirem estar juntos e tentem adivinhar o final? Ficam juntos.
   Quanto a personagens, esse é mesmo o ponto fraco da autora. São ocas e com estereótipos básicos, sem terem qualquer profundidade psicológica. E, como tal, o livro perde metade da piada dessa forma, quando estamos a ler uma história com bonecos em vez de pessoas com que nos ligamos.
   Por outro lado, é engraçado ler os livros por esta ordem tendo já lido a obra Acheron, porque em vez de ter Acheron como a personagem misteriosa e estranha em que cada livro dá uma pequena pista, assim sabe-se já quem ele é e vemos como todos os outros não sabem nada dele e a imagem que ele passa.
   Como seria de esperar, nada de novo em vários aspectos, mas hey, meio ponto por ter mais mitologia! Caso queiram saber mais sobre a saga, podem seguir o link para a obra anterior: Crítica - O Abraço da Noite
   Boas Leituras... ;)
5/10

André

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Soul Eater vol.18 - Atsushi Ohkubo

   "As Kid struggles against the madness deep in the Book of Eibon, a group of Spartoi members race to rescue their friend. Through page after page of Lust, Gluttony, and Envy, the students must conquer the seduction of their own fears and desires to reach the final chapter! Will their efforts be enough to give this tale a happy ending?!"

   Boas Leitores!
   Estamos a sete volumes do final! Pois é, este é já o décimo oitavo volume dos vinte e cinco desta saga. E continuamos num arco gigantesco que quase daria para ser o arco final!
   Tal como previ na opinião ao volume dezassete, este arco é um dos arcos grandes desta história. Todo o volume passa-se nesse arco, e foram mais quatro capítulos, e não acabou no quarto capítulo, ou seja, o próximo volume ainda vai ter muito para contar.
   E será que vale a pena este arco tão grande? Essa é, verdadeiramente, uma boa questão. É um arco interessante e que não está a ser prolongado como modo de "encher chouriços". Pelo contrário, está a ser rápido até. No final do volume anterior julguei que os próximos capítulos referenciariam cada um, um dos sete pecados mortais, mas não foi assim, por vezes os capítulos deste volume cobriram dois num estalar de dedos. E ainda bem para isso!
   Por outro lado, as personagens estavam um pouco aborrecidas. Entre os protagonistas Soul e Maka foi apenas mais do mesmo, que maça o leitor por estar a bater sempre na mesma tecla. Com os outros protagonistas, pouco se sabe, ou só se sabe algo mesmo no final do volume. Talvez parte da culpa disso seja do volume só ter quatro capítulos, não dando tempo suficiente para o leitor ligar-se às personagens.
   Quanto ao enredo, parece estar interessante, do pouco que avançou para além dos pecados mortais. Talvez no próximo acabe essa parte e avance decididamente, pelo menos aproxima-se uma batalha épica que deverá agarrar o leitor num piscar de olhos.
   Caso queiram saber mais sobre o volume anterior, e os que precederam esses, basta seguir o link: Crítica - Soul Eater vol.17
   Boa Leitura... ;)
7/10

André

quinta-feira, 6 de julho de 2017

Sangue do Assassino - Robin Hobb

   "Apesar de profundamente enredado nos seus conflitos pessoais, o Assassino tem de preparar uma expedição infalível às Ilhas Externas. Para isso há que ensinar ao príncipe dos Seis Ducados tudo o que conseguir sobre as duas magias - duas misteriosas e temidas magias inerentes ao sangue que ambos partilham. Mas na vida de Fitz nada é fácil, e o seu próprio desconhecimento de muito do que diz respeito a essas magias pode ter consequências catastróficas, tanto para si como para o herdeiro… e, em última instância, para o próprio reino.
   Mas as ameaças não se ficam por aí: quem são realmente aqueles estranhos vilamonteses que apareceram inesperadamente em Torre do Cervo? E os manhosos, que resultará dos seus conflitos internos e que atitude tomará a respeito deles a coroa dos Seis Ducados?"

   Boas Leitores!
   E temos mais uma vez no blogue Robin Hobb, excelente autora de vários livros, nomeadamente este. Sangue do Assassino é o terceiro volume dos cinco que existem em português. Para quem lê esta saga em inglês, este volume é a segunda metade do segundo livro da trilogia. Já estão todos publicados (quer em português quer em inglês) por isso se estavam com receio de começar uma saga ainda não acabada, nada temam.
   É uma obra muito boa tendo em conta o tamanho que tem, não chega às 400 páginas. A autora consegue contar uma história com pés e cabeça, e não uma balbúrdia de palavras com batalhas ou romances forçados sem qualquer contexto. Não só as personagens são caracterizadas ao pormenor, onde sentimos ligações diferentes a cada uma, desde o familiar amigo, angústia por quem conhecemos (ou parece que conhecemos), ou mesmo traição quando assim decorre. A autora sabe conduzir o leitor na sua mão para onde quer e isso é fantástico.
   Como se não bastasse, as magias associadas a este mundo estão bem produzidas, com vantagens e custos consistentes e que fazem sentido. Os assuntos que a autora aborda são polémicos e merecem ser discutidos e o enredo é brutal, levando o leitor a devorar páginas e páginas (ou horas e horas a ouvir audiobooks, se for esse o vosso caso).
   E os pequenos pormenores que são as frases ou relatos ou ainda fragmentos de textos do passado que aparecem no início de cada capítulo são pequenos presentes que a autora dá e que vai saciando a fome de conhecimento daquele mundo.
   Só tive pena do livro não ser maior, ou não termos ainda mais desenvolvimento, mas acho que faria sentido nos livros em inglês, onde teríamos começado muito atrás e o final deste seria até um final apropriado para um livro desse calibre.
   É uma daquelas obras (se não mesmo sagas) que merecem ser lidas, desejoso do próximo volume! Caso queiram saber mais sobre os volumes anteriores, sigam o link: Crítica - Os Dilemas do Assassino
   Boas Leituras... ;)
9/10

André

quarta-feira, 28 de junho de 2017

Flowers for Algernon - Daniel Keyes

   "Charlie Gordon, IQ 68, is a floor sweeper, and the gentle butt of everyone's jokes, until an experiment in the enhancement of human intelligence turns him into a genius. But then Algernon, the mouse whose triumphal experimental transformation preceded his, fades and dies, and Charlie has to face the possibility that his salvation was only temporary."

   Hey readers!
   Para variar um pouco, agora vamos opinar sobre um livro em inglês. Flowers for Algernon é uma obra isolada (nada de trilogias, sagas ou continuações malucas), que ganhou não só o Prémio Nébula para melhor romance, como também o Prémio Hugo para melhor conto. E bem merece esses prémios!
   Escrito de uma forma brilhante, num formato de entradas dum relatório ou diário, onde o leitor percebe perfeitamente como é o protagonista desta história, essa mesma escrita vai sendo alterada à medida que o enredo avança, acompanhando assim o desenvolver da personagem principal. A estratégia agarra quase de forma imediata quem lê e cria aquele elo emocional entre o leitor e o protagonista, onde sentimos parte do que ele sente.
   O enredo pode não ser dos mais complexos que andam por aí, é até bastante simples. Mas acho que é por essa mesma simplicidade que o livro ganhou mais pontos. É uma história simples, um rapaz que quer ser mais inteligente para que todos à sua volta possam orgulhar-se dele. E o que acontece quando ele assim se torna, não só com ele mesmo, mas também o que acontece com as pessoas à sua volta.
   Achei que fosse também um bom livro de alerta para pessoas que sofrem do mesmo e são alvo de muitos dos actos que acontecem ao longo do livro. Sem qualquer dúvida que vale a pena ler esta obra.
   Boas Leituras... ;)
8.5/10

André

quarta-feira, 21 de junho de 2017

As Garras da Águia - Simon Scarrow

   "No terrível Inverno de 44 D.C., vinte mil legionários estacionados na Britânia aguardam impacientemente que a Primavera chegue para retomarem a conquista da ilha. A resistência bretã está cada vez mais aguerrida e os nativos não perdem uma oportunidade de minar os esforços da poderosa Roma. Quando os mais selvagens resistentes, os druídas da Lua Negra, capturam a mulher e os filhos do General Aulo Pláucio, é necessário recorrer a uma medida drástica: dois voluntários da Segunda Legião que se infiltrem em território inimigo numa tentativa desesperada de resgatarem os prisioneiros. Essa sorte cabe ao centurião Macro e ao jovem Cato. Na calada da noite, abandonam o acampamento com a missão de encontrarem a família do general antes que seja sacrificada aos deuses negros dos druídas. Os dois homens sabem que se encaminham para uma morte quase certa. E a sua única esperança é que, com coragem e engenho, possam ludribiar os inimigos mais selvagens e cruéis que alguma vez combateram."

   Boas Leitores!
   Estamos de volta com mais uma opinião, da mesma editora que o último livro lido, mas desta vez é a continuação da saga Águia. Sim, estamos no 3º volume (de cerca de 13), estamos a bom ritmo (muito melhor do que outras sagas da mesma editora).
   Comparemos primeiro com os dois primeiros volumes: melhor do que o anterior, de certeza, ao menos este não teve a imensidão de batalhas que a obra anterior teve, acabando por não criar intensidade nenhuma. Apesar de, mesmo assim, haver demasiadas batalhas para um único livro, ao menos estas não foram tão repetidas e tiveram mais lógica. As descrições mais sangrentas foram os pontos altos na área de descrições, mas essas mesmas caracterizações não se encontravam em batalhas muitas vezes.
   O enredo nesta também mudou ligeiramente, ainda tivemos o enredo principal de conquista da Grã-Bretanha, mas ao menos tivemos uma mudança de ares quanto aos inimigos que os romanos batalhavam. E essa parte tenho de atribuir alguns pontos, até agora sempre tinha lido livros onde os druídas eram os bons da história e os romanos com as suas religiões que vinham impor nas tribos eram os maus da fita. Mas este autor fez trocar os papeis, e o certo é que foi estranho no início e passado um pouco percebi que até teve a sua qualidade.
   Quanto a personagens, foi uma mistura de bom e mau. Houve desenvolvimento duma personagem, ou pelo menos, começámos a conhecer melhor uma das personagens, enquanto que a outra, quanto a psique, foi como se estivesse em estado letárgico, não variou nada.
   Resumindo e concluindo, este volume está entre o primeiro e o segundo no que toca a qualidade, um pouco mais perto do primeiro do que o segundo. Veremos se a qualidade melhora aos poucos e poucos. Caso queiram saber mais sobre a saga (e os volumes que já opinei anteriormente), basta seguirem os links: Crítica - O Voo da Águia
   Boas Leituras... ;)
6.5/10

André

quarta-feira, 7 de junho de 2017

Os Despojados - Ursula K. Le Guin

   "Em Anarres, um planeta conhecido pelas extensas áreas desérticas e habitado por uma comunidade proletária, vive Shevek, um físico brilhante que acaba de fazer uma descoberta científica que vai revolucionar a civilização interplanetária. No entanto, Shevek cedo se apercebe do ódio e desconfiança que isolam o seu povo do resto do universo, em especial, do planeta gémeo, Urras.
   Em Urras, um planeta de recursos abundantes, impera um sistema capitalista que atrai Shevek, decidido a encontrar mais liberdade e tolerância. Mas a sua inocência começa a desaparecer perante a realidade amarga de estar a ser usado como peão num jogo político letal.
   Que esperança e idealismo restam a Shevek, aprisionado entre dois mundos incapazes de ultrapassar as diferenças? E ao desafiar ambos os regimes políticos, conseguirá ele abrir caminho para os ventos da mudança?"

   Boas Leitores!
   E aqui temos uma opinião surpresa! Os Despojados, obra recente da editora Saída de Emergência, de Ursula K. Le Guin. Esta obra venceu os prémios Hugo e Nebula, os melhores prémios para fantasia e ficção científica, o que já dá algumas dicas de quão bom é. Este é considerado o primeiro volume do chamado Ciclo Hainish que consiste em dez livros se não estou enganado.
   E após ter lido o primeiro... Onde é que anda o segundo? Quero lê-lo imediatamente! Os Despojados é uma obra brilhante, cheia de inteligência e cultura. Cansados dum enredo típico de ficção científica ou fantasia? Esta obra não é dessas, com um enredo diferente, onde os capítulos são alternados entre o presente e o passado que levou ao presente, a obra não nos cansa, pois está constantemente a levar o leitor para mundos literalmente diferentes.
   O desenvolvimento do protagonista é também dos melhores que já vi. É como se tivesse duas personagens diferentes conforme o planeta onde está, mas no fundo o do passado acaba por transformar-se no do presente e o do presente em algo mais. E o leitor acompanha ambas as transformações, sentimos como que uma ligação especial com Shevek, por vermos o quanto ele faz e o quanto as perspectivas dele mudam conforme o avançar do tempo.
   E se estão a pensar "este livro parece ser demasiado inteligente para mim.", estão completamente errados! O único critério é gostar de ficção científica, de resto vão entender tão bem os diversos assuntos que a autora aborda quanto qualquer outra pessoa. Até acho que se lerem mais do que uma vez vão perceber novas coisas.
   É um livro que aconselho vivamente a lerem. Até a capa fez imenso sentido para mim quando comecei a ler. No início só pensei "eh esta capa não me chama muito a atenção." Mas após ler o livro FAZ TODO O SENTIDO. Estão com medo de começar uma colecção tão grande? Não tenham, esperem que seja tão boa quanto esta primeira obra!
   Boas Leituras... ;)
9/10

André

sábado, 27 de maio de 2017

Bakuman vol.18 - Margins and Hell - Tsugumi Ohba & Takeshi Obata

   "Average student Moritaka Mashiro enjoys drawing for fun. When his classmate and aspiring writer Akito Takagi discovers his talent, he begs Moritaka to team up with him as a manga-creating duo. But what exactly does it take to make it in the manga-publishing world? 
   Moritaka and Akito complete their new story, Reversi, and hope it will finally lead to their getting an anime. But standing in their way is Eiji Nizuma with his new story, Zombie Gun. This intense head-to-head battle may have ramifications for the entire manga industry!"

   Boas Leitores...
   Antepenúltimo volume. Décimo oitavo dos vinte que já sigo há bastante tempo. E no entanto, não parece que está para terminar nos próximos dois volumes.
   Quer dizer, por um lado o enredo está a avançar bem, a um ritmo estável, mas quando o leitor pensa "realmente, é desta que vai ser, eles vão conseguir" um contratempo aparece e dá a sensação que vai prolongar até mais não. E esta não me parece a melhor altura para empatar, visto que faltam apenas 2 volumes, se eles empatam então depois vai ser a correria para conseguirem acabar de uma forma coerente.
   E isto sem focar no romance, que mais uma vez não aparece nada quanto aos protagonistas. Houve romance, sim, mas foi em personagens secundárias que já prometiam há dez volumes atrás, quase. Como se os autores quisessem introduzir algum romance, mas não conseguem dar o romance principal porque o enredo não deixa, então foi essa a solução deles.
   Nos pontos positivos tenho de referir a emoção transmitida na história, ainda para mais quando começa a aproximar-se do fim e tudo parece iminente. Agarra os leitores firmemente e não os deixa descansar entre páginas. Claro que a arte e a maneira como os diálogos são feitos é tudo pequenos pormenores que ajudam, e delineados muito bem!
   Foi um volume bem melhor que o anterior, vendo agora, mas mesmo assim ainda havia muito por onde poderiam ter melhorado. Vamos ver como estará o próximo, visto que será o penúltimo, e como espero que no último seja o grande troço do romance da saga, o décimo nono volume terá de explicar 50% do resto da história. Caso queiram saber do volume anterior, basta seguirem o link: Crítica - Bakuman vol.17 - One-Shot Deal and Complete Story
   Boas Leituras... ;)
7.5/10

André